MS Notícias

tera, 07 de julho de 2020

ECONOMIA

Bioceânica: nova realidade continental derruba galhofas e ceticismo

Políticos murtinhenses, Heitor e Zeca foram decisivos para resgatar sonho secular da integração latinoamericana

Por: REDAÇÃO31/07/2019 às 07:41
ComentarCompartilhar
Porto MurtinhoPorto MurtinhoFoto: Reprodução

Muito se comenta sobre a iminente materialização de um sonho que atravessou séculos desacreditado – um descrédito debitado no ombro e no currículo das poucas pessoas que o sonhavam, apostando que um dia se tornaria real. Ceticismo, ironias e galhofas – ou a pecha de loucos - eram, quase sempre, as reações de quem ouvia discursos ou lia textos de gente que defendia a rota bioceânica, por meio de investimentos nas fronteiras de Mato Grosso do Sul com Paraguai e Bolívia para colocar o Brasil mais perto do Oceano Pacífico e, por ele, acessar aos grandes mercados mundiais, sobretudo Ásia e África.

Esse raro grupo de “loucos” sonhadores inclui, ao longo da história, dirigentes políticos que, timidamente ou não, acreditavam no sonho. Os ex-governadores Pedro Pedrossian, Wilson Martins, André Puccinelli  e o atual, Reinaldo Azambua, entram nessa conta. No entanto, não há como reduzir a magnitude do foco e do interesse com que dois irmãos porto-murtinhenses, José Orcírio Miranda dos Santos e Heitor Miranda dos Santos, olharam para os horizontes que rasgam chacos e pantanais, deslizam pelos rios, vencem as cordilheiras andinas e demonstram aos sulamericanos de todas as línguas, raças e costumes, que é possível conviver e prosperar juntos, compartilhar direitos e justiça, romper os grilhões da dependência externa e aplicar suas próprias receitas de evolução humana, social e econômica, sem prejuízo da autodeterminação de cada povo.

Assim, nos próximos anos, quando as pessoas, mercadorias, culturas e ideias estiverem percorrendo os corredores plurimodais por hidrovia, ferrovia e rodovia até o Chile, porta de entrada para o Oceano Pacífico, haverá quem se ocupe em conhecer a história deste que é um dos maiores e mais necessários sonhos de convivência integracionista do planeta. A rota bioceânica, com seus dois itinerários a partir de Mato Grosso do Sul – um na fronteira Brasil-Paraguai, a partir de Porto Murtinho, e outro na fronteira com a Bolívia, saindo de Corumbá - tem uma antiga e rica história, cujos capítulos guardam informações nem sempre conhecidas da opinião publica.

PIONEIRISMO

Personagens e fatos que deram origem à ideia integracionista já estavam em cena desde as pioneiras incursões dos grandes navegadores. Homens como o espanhol Álvar Nuñes Cabeza de Vaca, primeiro europeu a aventurar-se pelas águas do Rio Paraguai, e libertários e pensadores latinoamericanos como Simon Bolívar, José de San Martin, José Artigas e Bernardo O´Higgins, não precisaram de modernas cartas hidrográficas e nem de apurada tecnologia para decifrar, reconhecer e dimensionar a grandeza do continente.

Com o passar dos séculos, uma visão cada vez mais contemporânea espraiou-se por todo esse continente, incorporando novas e vitais necessidades, notadamente as de soberania, para que a América Latina se libertasse do jugo invasivo do chamado “primeiro mundo”.  E o antigo sonho, embora muito distante da realidade, voltou à tona. Seus impulsos renovados começaram timidamente, nos anos 1960. Mesmo na escuridão política e institucional da ditadura militar, núcleos da inteligência tecnocrática, em sua maioria, ousaram apontar para um ponto geográfico, o extremo oeste brasileiro, cuja importância não poderia estancar nos limites da segurança nacional, mas evoluir para a estratégia do desenvolvimento.

Em 1965 foi criado o Grupo Executivo de Integração da Política de Transportes (GEIPOT). Era fruto de um acordo entre o Brasil e o Banco Mundial para formular e executar a política nacional de transportes  pesquisas do setor. Tornou-se o útero de vários projetos de rodovias, ferrovias e hidrovias.Em 2001 o Geipot saiu de cena com a criação do Conselho Nacional de Integração de Política de Transporte (Conit), até entrar em liquidação em 2002 e depois seria reativado em 2012 ela presidenta Dilma Roussef.

Em todo esse processo, a bioceânica sobreviveu nas gavetas ministeriais como mero e alucinante desenho, projetado para um tempo que ninguém sabia quando. Estava vivo, embora adormecido e amarfanhado nos arquivos planaltinos.Era preciso reanimá-lo, até porque o I e o II PNDs (planos nacionais de desenvolvimento), embora sob a ótica linear e ideológica da segurança nacional, já acusavam a necessidade de melhor e refinar a aproximação entre o Brasil e seus vizinhos sulamericanos.

SOBERANIA

Heitor e os chineses da BBCA. Foto: Giva 

E assim, em meados dos anos 1970, à medida que avançava a resistência política e popular ao regime levantavam-se algumas vozes em defesa da soberania nacional e da América Latina – além do Brasil, outros países do bloco viviam sob ditaduras cruéis. E lá na fronteira, às margens do Rio Paraguai, os irmãos murtinhenses fincavam no solo as bandeiras da democracia, da libertação continental e da rota bioceânica.

“Eu pensava inicialmente na redenção de Porto Murtinho, na criação de novas e sólidas perspectivas de desenvolvimento para uma cidade isolada, de pequenas receita, apesar do exuberante potencial humano e natural”, recorda Heitor . E completa: “Mas eu via que a cidade e toda aquela região não teriam como evoluir sozinhas. Era essencial que toda a geografia brasileira, paraguaia e dos demais vizinhos tivessem uma sincronia de efeito evolutivo, cultural e sócio-econômico. Unidade, integração. E isso se daria com um motivador extraordinário: a capacitação econômica, com agregação cultura e social, por meio de um corredor multimodal até o acesso ao Pacífico, no Chile”.

CONHECIMENTO DE CAUSA

O ex-prefeito Heitor Miranda dos Santos. 

Advogado e estudioso dos grandes temas políticos e sociais, para carregar essa bandeira Heitor adquiriu conhecimentos e recarregou as reservas de educação e paciência para suportar o desdém e outras maldades de quem não lhe depositava fé alguma. Além das bases acadêmicas que o levaram ao quadro de concursados na Procuradoria Estadual de Justiça e das formulações do Geipot, dos PNDs e da incansável busca literária sobre a história das navegações e ocupações regionais, ele ampliou seu campo de informações e interlocução com investiduras profissionais e políticas.

Heitor governou os murtinhenses duas vezes (1989-92 e 2012-16), respondeu pela Superintendência de Ações Estratégicas e Relações Internacionais no governo de Zeca do PT e quando Lula se elegeu presidente foi o único sulmatogrossense convidado para integrar a equipe que fez a transição do governo de Fernando Henrique Cardoso. No grupo , que cuidou da área de infraestrutura, a coordenadora era Dilma Roussef. Contou para sua escolha o então já reconhecido domínio temático, até porque sua presença seria ideal para um processo de transição que, entre as intervenções governamentais, teria nas mãos os estudos e avanços daIniciativa para a Integração da Infraestrutura Regional Sul-Americana (Irsa), criada por FHC e sustentada depois por Lula e Dilma.  

Quando Zeca governou o Estado, de 1999 a 2006, desde o primeiro dia de mandato Mato Grosso do Sul respirou, de uma forma de outra, o oxigênio de confiança com que seu governante tentava abastecer as esperanças da sociedade no futuro inovador do Mercosul com a integração continental. Em dezenas de ocasiões, eventos de todo tipo tomaram as agendas e o interesse do governador quando o assunto era a rota bioceânica. Heitor se esmerou nas articulações, que ocorriam dentro e fora do Brasil. Num dos encontros do Zicosur (Zona de Integração do Centro-Oeste da América do Sul), no Chile, as delegações do continente reconheceram nos discursos oficiais o papel decisivo do governo sulmatogrossense, por meio de Zeca e Heitor, para o avanço concreto de todas as tratativas publicas e privadas direcionadas à rota bioceânica.

Quando administrou Porto Murtinho de 2013 a 2016, Heitor fez do integracionismo uma das marcas de seu governo. Tomou diversas iniciativas. Uma delas foi o encontro reunindo o Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU), professores, alunos e pesquisadores da Uems (Universidade Estadual), UFMS (Universidade Federal) e UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados). No conteúdo, um dos apelos vigorosos do prefeito foi a criação e implantação da Universidade Latino-Americana, soprada pelos ventos da integração.

Com tais contribuições, as demonstrações de reconhecimento, poucas em quantidade, sobram em qualidade. O Congresso Nacional é recorrente em alusões ao papel que os defensores deste sonho exercem, especialmente para recuperá-lo. No dia 24 de setembro de 2013, o senador Rubem Figueiró (PSDB) discursou no Senado para exaltar esses protagonismos e comentar o significado de uma expedição que dali a dois dias levaria Heitor e dezenas de empresários e agentes púbicos e privados aos dois caminhos da rota, saindo de Corumbá, pela Bolívia, e regressando pelo Paraguai, com chegada em Porto Murtinho.

Na tribuna da Casa, Figueiró afirmou: “(...)esses projetos sempre contaram com entusiástico apoio do prefeito da cidade de Porto Murtinho, Sr. Heitor Miranda dos Santos, e do então governador José Orcírio Miranda dos Santos, o conhecido Zeca do PT, que não economizaram esforços para sensibilizar as autoridades sobre sua viabilidade, dadas as vantagens estratégicas que apresentam. Trata-se de um trabalho que poderá transformar a região de fronteira de Mato Grosso do Sul com os vizinhos Paraguai e Bolívia, em polos de desenvolvimento econômico, político e social, com inestimáveis ganhos para o Brasil”.

VALOR ECONÔMICO 

A revista publicou matéria em 19 de abril do ano passado, com o título “Chile quer acelerar criação de corredor bioceânico realista”. Na abertura do texto, o jornalista Daniel Rittner, de Brasília, escreveu: “O novo governo do Chile promete trabalhar para a inauguração, em prazo de dói a três anos, de um corredor rodoviário bioceânico que reduzirá em cerca de 40% o tempo consumido no transporte das exportações brasileiras com destino a parceiros comerciais na Ásia. A ideia é ligar o município de Porto Murtinho (MS) aos portos chilenos de Iquique e Antofagasta, passando por Paraguai e Argentina, em um trajeto com quase dois mil km de extensão”.

INVESTIDORES

A multinacional chinesa BBCA está concluindo em Maracaju uma unidade industrial para processar milho e com ele fabricar diversos produtos, do amido a plásticos biodegradáveis. É um investimento que vai chegar a R$ 2 bilhões, quando a fábrica estiver operando a pleno. O primeiro carregamento de milho chega na próxima semana. Maracaju fica a 321,8 km de Porto Murtinho, pela BR-267. Em 2013, já convencidos do potencial da região e com o martelo batido para construir a indústria, diretores da BBCA e do Banco de Desenvolvimento da China visitaram o prefeito Heitor Miranda para tomar informações sobre as condições e possibilidades – custos, distâncias, calado do rio e outros itens – para o escoamento e os negócios utilizando em princípio a hidrovia e, futuramente, rodovia e hidrovia.

Heitor mostrou um vídeo com todos os detalhes e os chineses levaram uma cópia. Agora, já sabem que Porto Murtinho é bem perto e, além do Rio Paraguai, dentro de dois a quatro anos, com o caixa reservado nos dois países, terão pontes e rodovias que estão sendo construídas ou projetadas para esse período.   

O que mais chama a atenção em todos os relatos e entrevistas de Heitor Miranda e Zeca do PT sobre a rota bioceânica é o olhar para a amplitude do benefício. Não é um olhar de linha reta e estreita que se fixa apenas na certeza de que a redução de custos tornará o Brasil muito mais competitivo para gerar empregos e potencializar sua economia. A rota, insiste Heitor, “possibilitará que nossos países tenham um percurso seguro para a afirmação de um ciclo de desenvolvimento humano e sustentável, valorizado na unidade dos povos que habitam o continente e nas culturas que o empoderam”.

Deixe seu Comentário

TV MS

22 de junho de 2020
Pagamentos pelo WhatsApp já estão disponíveis no Brasil
Pagamentos pelo WhatsApp já estão disponíveis no Brasil

Últimas Notícias

Ver Mais Notícias
MS Notícias - Sua referência em jornalismo no Mato Grosso do SulRua José Barnabé de Mesquita, 948
CEP 79100.200 - Vila Duque de Caxias
Campo Grande/MS
 (67) 99309.8172

Editorias

Institucional

Mídias Sociais

© MS Notícias. Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvimento Plataforma