16 de junho de 2021
Campo Grande 27º 14º

“BNDES deve liberar financiamento para HR do Bolsão”, diz Simone Tebet

A- A+

A senadora Simone Tebet (PMDB-MS) afirmou que há poucas pendências burocráticas para permitir a liberação pelo BNDES do financiamento para construir o Hospital Regional do Bolsão. Ela participou de uma reunião com o Diretor do órgão, José Henrique Paim Fernandes, na segunda-feira, dia 20, no Rio de Janeiro. Também estavam no encontro o senador Waldemir Moka (PMDB-MS) e a prefeita de Três Lagoas, Márcia Moura. 

Simone explicou que o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Saúde, vai encaminhar a documentação necessária ao BNDES, mas que o processo já está bastante adiantado, inclusive com a licitação já concluída.

O financiamento foi negociado pelo ex-governador André Puccinelli. Antes de encerrar o mandato, ele deixou em caixa os cerca de R$ 7 milhões necessários à contrapartida do empréstimo. O valor financiado pelo BNDES será de cerca de R$ 35 milhões. “Eu participei desse processo enquanto vice-governadora. Hoje, minha presença e a do senador Moka na reunião serviu para reforçar a importância da obra para o Mato Grosso do Sul”, salientou.            

Para Simone, o fato de o diretor do BNDES, José Henrique Paim Fernandes, ter sido secretário Executivo do Ministério da Educação, facilita o trâmite do processo, uma vez que ele acompanhou a criação do curso de medicina do Campus da UFMS de Três Lagoas, há pouco mais de um ano. “Ele já conhecia o projeto do Hospital Regional, que inclui o Hospital Universitário, e sabe o quanto o empreendimento é importante”, disse Simone.       

A prefeita de Três Lagoas, Márcia Moura, ficou satisfeita com o resultado da reunião. Ela ressaltou o aspecto positivo da construção da obra. “O Hospital Regional é necessário porque vai complementar o atendimento do Hospital Nossa Senhora Auxiliadora e vai atender a toda a região”, disse.

O Hospital terá atendimento ambulatorial, de hemodinâmica, maternidade, UTI de adulto, pediátrica e neonatal, enfermaria de internação clínica e cirúrgica, além de centros cirúrgicos, auditório, laboratórios e centro de reabilitação. A obra será construída numa área de 19 mil m².