19 de janeiro de 2022
Campo Grande 34º 24º

DECLARAÇÃO

Bolsonaro é contra o isolamento, mas ataca o Carnaval

Em entrevista Bolsonaro diz ser contra o Carnaval para evitar aglomeração

A- A+

Um ataque ideológico de Jair Bolsonaro a festa tradicional brasileira. o Carnaval, aconteceu nesta quinta (25.nov.21). 

A celebração do feriado tem sido cancelada em alguns municípios, em especial no interior paulista, e está incerto em grandes centros carnavalescos, como Salvador, Recife e Olinda.

"Por mim, não teria Carnaval, mas tem um detalhe, quem decide não sou eu. Segundo o STF, quem decide são governadores e prefeitos", afirmou em entrevista à rádio Sociedade da Bahia, nesta manhã.

Bolsonaro faz menção à decisão da corte do ano passado que garantiu aos gestores estaduais e municipais autonomia para decidir a respeito de medidas no enfrentamento da Covid-19. Ele tem usado essa desculpoa para mascarar a falta de organização do governo no Combate a doença

O presidente usa de forma equivocada a decisão para alegar que ele não teria responsabilidade sobre a gestão do combate à Covid-19.

Em julho, a conta oficial do STF no Twitter reafirmou que não impediu o governo de atuar. "O STF não proibiu o governo federal de agir na pandemia! Uma mentira contada mil vezes não vira verdade!", afirmou no Twitter.

Apesar de os totais de casos e mortes por Covid-19 estarem em queda no Brasil, especialistas divergem sobre a realização do Carnaval.

Uma ala acredita que cancelar pode evitar possíveis curvas de contágio e surgimento de novas variantes do coronavírus.

Por outro lado, há quem defenda que manter os festejos é possível, desde que haja protocolos rígidos, como a exibição de comprovantes de vacinação e o uso de máscaras.

Pelo menos 58 municípios do interior e do litoral paulista já anunciaram o cancelamento dos eventos públicos de Carnaval, desde localidades com menos de 5.000 habitantes, algumas das quais sem novos casos há três semanas, a cidades do porte de Sorocaba e Franca.

A diretora-Geral assistente da Organização Mundial da Saúde (OMS) para Acesso a Medicamentos, Mariângela Simão, disse na última terça-feira que o mundo vive uma quarta onda de cassos de Covid-19 e fez um alerta sobre o Carnaval.

Apesar de ter dito ser contrário à realização do Carnaval, por causa do vírus, o presidente criticou, na entrevista à rádio baiana, medidas de isolamento e disse que, se houver mais lockdown no País, vai "quebrar a economia de vez".