16 de janeiro de 2021
Campo Grande 28º 22º

Candidatos ao Senado projetam no TRE/MS que vão gastar mais de R$ 28 milhões

A campanha pela vaga ao Senado que estará em disputa na eleição de outubro vai custar mais  de R$ 28 milhões, se todos os orçamentos apresentados pelos candidatos se consumarem. A vice-governadora Simone Tebet (PMDB) estimou o maior gasto de campanha entre os candidatos. O segundo orçamento mais caro, conforme previsão do PP é do ex-prefeito Alcides Bernal (PP). A peemedebista prevê despesa de R$ 10 milhões, conforme informou ao TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul), no ato do registro de sua candidatura. Mesmo afirmando não ter o recurso, Bernal estimou gastar R$ 7 milhões. “Será a campanha do tostão contra o milhão”, disse. Questionado, então, porque não registrou previsão real, ele informou que a legislação eleitoral lhe dará direito a isso. “É uma estimativa para atender a formalidade”, comentou. Terceiro na lista, o candidato a senador pela chapa do PT, Ricardo Ayache, calcula gastar R$ 6 milhões na disputa eleitoral. Já o presidente regional do PSD, Antônio João Hugo Rodrigues, candidato a senador na chapa do PSDB, estima despesa de R$ 5 milhões. O candidato a governador do PSOL, Sidney Melo, calcula gastos de R$ 500 mil, incluindo a campanha do seu candidato a senador, Lucien Rezende. O PSTU, do candidato Valdemir Casimiro, não registrou a estimativas de gastos com a campanha. Região News