03 de agosto de 2021
Campo Grande 30º 14º

Cassação: PDT reconhece prejuízo e diz que Pedra será “aproveitado”

A- A+

O presidente do diretório regional do PDT, em Mato Grosso do Sul, deputado Dagoberto Nogueira reconheceu nesta quinta-feira (19), em entrevista ao MS Noticias, que cassação do mandato de vereador do secretário Municipal de Governo e Relações Institucional, Paulo Pedra (PDT), irá gerar “prejuízo” ao partido em 2016.

De acordo com pedetista, Pedra tem representatividade dentro da sigla e caso não consiga reverter a situação de se tornar inelegível pode ser alocado em uma outra função. “Lamento a cassação dele [Paulo Pedra]. É um quadro importante para o partido. Vamos arrumar uma forma de aproveitá-lo se ele não ficar na prefeitura. Tem competência e o PDT  pode aproveitá-lo em algum lugar”, disse o deputado.

Dagoberto espera que Pedra consiga recorrer da decisão e retomar a vida política.  “Se ele realmente ficar inelegível obviamente não poderá participar das eleições no ano que vem”, acrescentou. O pedetista também esteve presente na coletiva do ministro das Comunicações, André Figueiredo com demais correligionários deputados, George Takimoto (PDT e Felipe Orro (PDT). 

Paulo Pedra ainda aguarda publicação do acórdão do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e notificação do TRE (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul) para recorrer da decisão. Pedra, juntamente com Thais Helena (PT) e Delei Pinheiro (PSD) teve mandato cassado após decisão do pleno do TSE proferida na noite da última quarta-feira (17), por unanimidade de votos. O TSE restabeleceu a decisão do Tribunal Regional Eleitoral, que cassou o mandato dos parlamentares por indícios de compra de voto.