19 de abril de 2021
Campo Grande 31º 20º

Eleições 2016

Cel David defende respeito às leis e mudança em licitação para evitar falta de merenda

O candidato a prefeito Coronel David (PSC), da chapa “Por uma Campo Grande Melhor, defende o cumprimento das leis e corrigir o problema administrativo no setor de licitação para evitar que a falta de merenda volte a ocorrer nas creches e escolas municipais a partir de 2017. Atualmente, cerca de 105 mil estudantes são prejudicados com o atraso na entrega ou falta de merenda.

Apesar de o Governo Federal repassar mensalmente dinheiro para a compra de alimentos nas escolas, as crianças e adolescentes das rede municipal sofreram com a falta de merenda no ano passado e neste ano em Campo Grande. De acordo com o Ministério da Educação, só no ano passado, o PNAE (Programa Nacional de Alimentação Escolar) repassou R$ 9,5 milhões ao município.

Ele também lembra da suspensão da licitação da merenda por indícios de superfaturamento no início deste ano. Já neste mês, o Tribunal de Contas do Estado parou o processo para escolher a fornecedora de alimentos na rede municipal por causa de suspeitas de irregularidades.

A merenda é apenas um dos problemas ocorridos em função de problemas administrativos. Em decorrência da demora na compra, kits e uniformes foram entregues meses após o início do ano letivo, comprometendo a qualidade do ensino e causando prejuízos financeiros às famílias.

Coronel David lembra que um dos motivos que levaram à cassação do atual prefeito Alcides Bernal (PP) em março de 2014 foi a contratação da Salute para fornecer merenda, apesar da falta de experiência e não ter movimento de venda. “Não é possível ter tantos erros e  prejudicar tantas crianças”, alertou.

Ele explica que o Plano de Governo, por meio do eixo Município Legal, prevê a aplicação dos princípios administrativos, da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência.

“Têm coisas na administração pública que não precisamos inventar, basta cumprir as leis, isto fará com que essas 105 mil crianças não paguem pelo erro de uma má gestão”, destacou. “Esta é a experiência que trago de 30 anos de executivo”, concluiu.