21 de abril de 2021
Campo Grande 32º 18º

Presidência em 2018

Ciro tenta atrair governadores do PT para sua campanha Presidencial

O grupo político do ex-governador do Ceará e provável candidato à Presidência em 2018, Ciro Gomes (PDT), aproveita-se do mau desempenho do PT nas eleições municipais para tentar atrair governadores do partido para sua campanha ao Planalto; o objetivo dos

A- A+

O grupo político do ex-governador do Ceará e provável candidato à Presidência em 2018, Ciro Gomes (PDT), aproveita-se do mau desempenho do PT nas eleições municipais para tentar atrair governadores do partido para sua campanha ao Planalto. Ciro tem a seu favor ainda a incerteza quanto a candidatura de Lula e seu próprio capital político de ter conseguido eleger seu candidato, Roberto Cláudio (PDT), para a Prefeitura de Fortaleza, diz reportagem de O Estado de S.Paulo

Embora historicamente o Nordeste sempre tenha garantido bons resultados ao PT, as eleições municipais de 2016 marcaram o naufrágio petista na região. O partido não elegeu nenhum prefeito nas nove capitais nordestinas.

Atualmente, o Partido dos Trabalhadores comanda o governo de cinco estados, e somente no Acre não poderá tentar reeleição. O objetivo do grupo de Ciro é se aproveitar do temor dos governadores de não conseguirem se reeleger pela sigla, devido ao sentimento antipetista que tomou parte de alguns setores da sociedade. 

A negociação está mais avançada no Ceará, Estado de Ciro, para que o governador Camilo Santana (CE)  migre de sigla e integre seu projeto presidencial. O grupo espera ainda adesão de Rui Costa (BA) e Wellington Dias (PI).

"A ideia de interlocutores de Ciro é que, a partir do Ceará, outros governadores do Nordeste também integrem o seu projeto de chegar ao Planalto. 

A principal preocupação dos governadores petistas é de não conseguir se reeleger em 2018, diante da crise que o partido vive e do sentimento antipetista, evidenciado nas urnas com o pior desempenho da legenda em eleições municipais nos últimos 20 anos.

Atualmente, o PT comanda cinco governos estaduais: Piauí, Ceará, Bahia, Minas Gerais e Acre. Apenas no Acre, o governador Tião Viana não poderá tentar a reeleição."