24 de novembro de 2020
Campo Grande 35º 21º

PANDEMIA

Com 43,3 mil mortes, Bolsonaro diz que Pazuello tem feito "brilhante trabalho"

Ex-ministro Mandetta disse nesta 2ªfeira, que o presidente Jair Bolsonaro comete "erros primitivos"

Leia também

• Vacina brasileira contra a covid-19 será testada in vivo pela Fiocruz

• Com mais 256 infectados em 24h, MS registra a 25ª morte por Covid-19

• EUA suspende uso da cloroquina, mas mantém doações de doses ao Brasil

Em entrevista à TV BandNews, o presidente Jair Bolsonaro criticou a maneira como ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta conduzia a crise da covid-19. Para Bolsonaro, "Mandetta é um bom comunicador e ajudou a potencializar o pavor da população" com a doença causada pelo novo coronavírus ao fazer o trabalho de sua formação, médico. No revés, Bolsonaro elogiou o trabalho do ainda ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, que segundo Bolsonaro, está fazendo um "brilhante trabalho".

A fala de Bolsonaro confronta-se ao momento de 'total abandono das vítimas' da Covid-19. O balanço sobre a pandemia do coronavírus no Brasil divulgado no final da tarde de hoje, 2ª-feira (15.junho) pelo Ministério da Saúde traz a triste estatística de 43.332 mortes em decorrência da Covid-19. Nas últimas 24 horas, foram 612 novos óbitos.

À época que Bolsonaro exonerou Mandetta, por alertar a população sobre o vírus e pelo então ministro da Saúde discordar que tartava-se de uma 'gripizinha', fossem tomadas as medidas de isolamento como a única saída, o país talvez já estaria então pronto para ir retornando à normalidade. Mas devido ao presidente pedir a quebra do isolamento e ser negacionista a existência do vírus o Brasil já chega a marca de quase 1 milhão de infectados e sem horizonte para o fim da crise sanitária.    

O ex-ministro Mandetta disse nesta 2ªfeira, em entrevista ao colunista do UOL Tales Faria, que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) comete "erros primitivos" à frente da luta contra o coronavírus.

"Acharam que era uma gripezinha, que ia passar com cloroquina, mas a doença se tornou muito agressiva. Conduzir a pandemia com os olhos do mundo voltados para nós com a referência do que não deve ser feito acaba levando a alguns erros impensáveis. As pessoas sob pressão crescem, mas alguns líderes cometem erros primitivos", afirmou.

Mandetta chamou de "desrespeito" o episódio em que Bolsonaro sugere invadir hospitais para confirmar se há doentes com covid-19 internados.

Em compensação, o atual ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, foi elogiado por Bolsonaro. Segundo o presidente, o general do Exército que substituiu o ex-ministro Nelson Teich, tem feito um "brilhante trabalho na Saúde". Bolsonaro defendeu a divulgação diária de mortes causadas pela covid-19 atreladas aos dias exatos em que os óbitos ocorreram, medida também endossada por Pazuello.

*Com informações do UOL.