08 de dezembro de 2021
Campo Grande 32º 22º

PANDEMIA | SENADO

CPI: crimes de homicídio e genocídio indígena ficam fora do relatório final

Com vazamento para imprensa, senadores se sentiram traídos por Renan Calheiros

A- A+

Acontece hoje (20.out.2021) a apresentação do relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito que investiga  a condução da pandemia pelo governo, após os senadores concordarem em excluir do relatório final os crimes de homicídio e genocídio atribuídos ao presidente Jair Bolsonaro.

Se antes era pedido a condenação do atual presidente por 11 crimes, agora serão 9, já que os crimes de genocídio contra a população indígena e homicídio foram retirados na versão final do relatório de Renan Calheiros (MDB-AL).

Essas alterações foram informadas pelo presidente da comissão, senador Omar Aziz (PSD-AM), ao deixar reunião do grupo majoritário do colegiado na noite desta 3ª feira (19.out.2021).

Renan divergia com os demais membros do grupo majoritário, que controla as ações da comissão, sobre o crime de genocídio contra população indígena. Enquanto o de homicídio, segundo Aziz, seria absorvido pelo crime de epidemia, que teria o acréscimo do resultado de mortes provocadas pela Covid-19, apontou o portal Brasil 247.

Renan Calheiros, conforme o portal Brasil de Fato, está sendo acusado - por Omar Aziz - de vazar trechos do relatório final para a imprensa, com objetivo de constranger senadores que discordam do conteúdo e assim impedir alterações.

Presidente da CPI Omar disse que os senadores concordaram em excluir do relatório final os dois crimes e exigiu que Calheiros agora mantenha tudo o que foi vazado para que membros da CPI não sejam acusados de estarem protegendo alguém.

"Hoje, não tenho direito de me contrapor ao relatório do senador Renan, parece que a gente se entregou ao Bolsonaro, ou que está protegendo o filho do Bolsonaro", declarou.

Era combinado no G7 a apresentação do relatório final aos colegas nesta 2ª feira (18.out.2021), o texto  aí, receberia contribuições dos senadores antes de ser lido, o que inicialmente estava marcado para esta terça-feira, mas o relatório vazou antes de ser debatido, o que gerou o sentimento de que o relator traiu os demais colegas.