19 de abril de 2021
Campo Grande 31º 20º

De olho em prefeituras, políticos trocam de partido e alteram cenário político em MS

Com a aprovação da janela partidária, houve uma debandada geral nos partidos políticos de Mato Grosso do Sul. Enquanto alguns políticos retornaram a partidos aos quais já foram filiados, outros buscaram novas siglas com intenção de ampliar espaço no cenário político estadual visando principalmente as eleições municipais deste ano. 

Na Capital, dentre os principais partidos, o mais prejudicado, até o momento, sem dúvida é o PMDB, do ex-governador André Puccinelli. Em 2015, a legenda já havia perdido os irmãos Nelsinho e Fábio Trad. Este ano, o PMDB deu adeus à vereadora Magali Picarelli, ao deputado estadual Maurício Picarelli, ambos se filiaram ao PSDB; o vereador Edil Albuquerque que se filia nesta sexta-feira (11) ao PTB além do deputado estadual Marquinhos Trad que deve se filiar ao PSD neste sábado (12). Porém, o partido ganhou o deputado estadual Márcio Fernandes, ex-PTdoB. 

O PSDB, do governador Reinaldo Azambuja, entretanto, aumentou suas bancadas tanto na Assembleia Legislativa quanto na Câmara de Vereadores da Capital. O partido ganhou, na Assembleia, os deputados estaduais Maurício Picarelli, Beto Pereira, Mara Caseiro. Na Câmara da Capital, Magali Picarelli e Flávio Cézar migraram para o ninho tucano. Outro peemedebista que deve anunciar saída do partido nos próximos dias é deputado federal Geraldo Resende, que já foi sondado pelo PSDB e está com conversas adiantadas com partido.

Outro partido que ganhou com janela partidário foi o PTB. Sob comando de Nelsinho Trad, a sigla conseguiu, em pouco tempo, obter bancada expressiva na Câmara da Capital. Além do vereador Edson Shimabukuro, o PTB agora conta com Edil Albuquerque, Saci e provavelmente Otávio Trad, que já sinalizou desejo de se filiar ao partido. 

Se por um lado, existem partidos aumentando suas bancadas, por outro, algumas siglas perderam importantes filiações. É o caso do PT, que já havia perdido o vereador Durães, na Câmara da Capital, e esta semana deu adeus ao prefeito de Corumbá Paulo Duarte, que se filiou ao PDT, que, por sua vez, deve perder nos próximos dias o deputado estadual Felipe Orro, que anunciou nesta quinta-feira (10) durante sessão na Assembleia desfiliação do PDT. O deputado mantém conversas com PSDB e PPS.

Orro declarou que decisão de deixar o PDT se pautou em projeto político de disputar Prefeitura de Campo Grande, o que pode aproximá-lo do PPS, uma vez que no PSDB, até o momento, a vice-governadora Rose Modesto figura como principal nome para ser o candidato do partido na disputa pela Capital. Com saída de Orro, o PDT, conta agora na Assembleia com apenas um deputado, George Takimoto.