02 de agosto de 2021
Campo Grande 29º 14º

Delcídio diz estar ciente de campanha agressiva e que não nivelará "por baixo"

A- A+

O senador Delcídio Amaral, candidato do PT ao governo de Mato Grosso do Sul, afirmou estar ciente da agressividade com que será tratado pelos discursos dos concorrentes, mas se depender dele a campanha não será nivelada por baixo. Com as convenções que homologaram as candidaturas no final da semana passada, o tom dos ataques começou a elevar-se e Delcídio, por sua condição de líder nas pesquisas, foi confirmado como alvo principal dos adversários, especialmente do tucano Reinaldo Azambuja e do peemedebista Nelson Trad Filho.

Segundo o senador, só nivela a campanha “por baixo” quem não tem proposta ou quem não conhece o caráter do eleitorado, que a seu ver está cansado de baixaria na política e sabe distinguir a crítica construtiva do ataque rasteiro. “Estamos preparados para um debate de alto nível, para uma campanha propositiva. E para a exposição do contraditório, mas em alto nível. Como é que um representante político vai respeitar o povo se não respeita seu adversário e não se faz respeitar pior eles?” – indaga.

REVOLUÇÃO DIGITAL – Delcídio enfatizou que uma das prioridades de seu programa de governo é modernizar o Estado, investindo em tecnologia digital para melhorar a estrutura de funcionamento das secretarias, capacitando a visão fiel e detalhada dos problemas, e para fortalecer a presença da sociedade na gestão pública, com ganhos em controle social pela transparência e na atualidade e legitimidade dos processos participativos que vão nortear as ações.

“Para isso, a população precisa receber do poder público os meios que assegurem seu acesso às tecnologias digitais e o uso dessa ferramenta como  mecanismo de interação entre a sociedade e o poder no âmbito das decisões”, reforçou.

O suporte para essa revolução, conforme o candidato petista, está na decisão do governo federal de resgatar o programa Banda Larga Para Todos. Lançado no segundo governo de Lula, o programa alterou as obrigações das concessionárias de telecomunicações para, em vez de telefones públicos (orelhões), instalar redes de banda larga em todos os municípios, com conexões para escolas e outros serviços públicos essenciais.

Com Dilma, acrescentou Delcídio, a proposta  ganhou uma configuração renovada para potencializar a universalização do acesso popular rápido e seguro aos serviços da Internet. A expansão da rede de fibra ótica e de equipamentos é uma das condições. O Banda Larga é um dos pontos centrais do Plano de Transformação Nacional,i resgatado e anunciado por Dilma Roussef na semana passada, durante a Convenção do PT que aprovou sua candidatura à reeleição. O Plano contém previsão de investimentos em políticas públicas e iniciativas de reforma política, federativa, urbana, de serviços e a revolução tecnológica, digital e educacional.

Edson Moraes, especial para MS Notícias