22 de abril de 2021
Campo Grande 29º 18º

Dourados

Délia mantém vantagem, Resende reage e Renato cresce

A- A+

A partir do momento em que o grande favoritismo de um dos pré-candidatos passou a perder terreno para a concorrência, a sucessão do prefeito Murilo Zauith (PSDB) em Dourados ganhou contornos emocionantes. Até o final do ano passado, antes de trocar o PMDB pelo PSDB, o deputado federal Geraldo Resende comandava as intenções de voto. Mas aos poucos viu sua liderança ser ameaçada e ultrapassada pela ex-correligionária peemedebista, vereadora Délia Razuk, agora no PR.

Em pesquisa realizada pelo Ipems nos dias 9 e 10 de maio, Délia aparecia com 44,8% e Resende tinha 32,11%, ambos bem distantes dos concorrentes, entre os quais o deputado estadual Renato Câmara (PMDB), citado por 3,52% dos entrevistados. Na mesma pesquisa, e em outra simulação, no confronto direto Délia venceria com 46,28% contra 35,43 de Resende.

Agora, uma nova amostragem acrescenta temperos à disputa. O Instituto Paraná Pesquisa divulgou amostragem indicando que a vereadora do PR mantém a dianteira, com 35% da preferência do eleitorado, com Resende a menos de cinco pontos percentuais (30,6%), uma distância bem menor que a verificada pelo Ipems em maio. As intenções de voto revelam ainda que outros dois prováveis concorrentes possuem condições de crescer: Marcelo Mourão (PRP), com 6,5%, e Renato Câmara, com 6,2%, praticamente empatados. Foram citados ainda Professor Damião (PT), com 2,2%; Wanderlei Carneiro (PP), com 1,3%.; Ênio Ribeiro, com 1,2%; e Elízio Brites, com 1%.

Realizada junto a 680 eleitores de 20 a 24 deste mês, com registro na Justiça Eleitoral (

A pesquisa revelou ainda que o vereador Marcelo Mourão (PRP) teria 6,5% dos votos, enquanto o deputado estadual Renato Câmara (PMDB) ficaria com 6,2% das intenções, seguido pelo Professor Damião (PT) com 2,2%, Wanderlei Carneiro (PP) com 1,3%, Enio Ribeiro com 1,2% e o empresário Elizio Brites aparece 1,0%. Exatos 7,2% dos entrevistados disseram que não saberiam em quem votar se as eleições fossem hoje, enquanto 8,8% declararam que não votariam.

            Realizada de 20 a 24 deste mês com 680 eleitores, registrada na Justiça Eleitoral (nº MS-00264/2016), a pesquisa tem 95% de grau de confiabilidade e margem de erro de 4% para mais ou para menos. Outro item que impressiona nesta amostragem é a quantidade de eleitores indecisos quando entrevistados para responder espontaneamente em quem pretendem votar: 80,9% disseram estar indecisos. Os que responderam dão, em sua maioria, preferência a Délia (7,2%), enquanto 4% votariam em Resende. Sobrou voto ainda para quem quer votar em Renato Cãmara (0,9%), Marçal Filho (0,6%), Murilo Zauith, que não é candidato (0,4%), José Carlos Barbosinha (0,3%), Ênio Ribeiro e Wanderlei Carneiro (0,1%).

FIÉIS DA BALANÇA – Se for mantido o cenário desenhado na pesquisa do Instituto Paraná, os estrategistas que cuidam das campanhas de Délia Razuk e Geraldo Resende precisam prestar bem atenção no desempenho de Mourão e Renato. Mesmo sem figurar no topo das preferências, a cotação de ambos já sinaliza duas possibilidades: uma, a de entrar na disputa com a perspectiva de crescer, e outra a de buscar uma aliança com peso decisivo para o resultado final.

Renato Câmara conviveu com Délia e Resende no PMDB. Ex-prefeito de Ivinhema, sua intenção de disputar a Prefeitura já vinha sendo explicitada desde que se elegeu deputado estadual, concentrando sua atenção em Dourados e ali estabelecendo seu principal núcleo de ação política. Porém, não tinha como conquistar a indicação partidária concorrendo com Resende, que detinha controle absoluto da legenda, e Délia, que seria a segunda opção. Com a saída de ambos, Renato Câmara se cacifou e agora é pedra de toque na sucessão de Murilo Zauith.