19 de junho de 2021
Campo Grande 27º 14º

tapa-Buraco

Fabio Trad investiga falso Tapa-Buraco, mas "esquece" de contratos milionários de Nelsinho

A- A+

As eleições 2016 ainda estão longe de acontecer, mas parece que os Trad já entraram em clima de campanha.

Depois de denúncia sobre Falsa Operação Tapa Buraco divulgadas em vídeo, o deputado federal Fábio Trad resolveu ingressar com uma Ação Popular contra a prefeitura de Campo Grande, atualmente sob comando de Gilmar Olarte (PP).

Fabio, no entanto, esqueceu de incluir em sua investigação, todas as denúncias de falsos buracos que foram "cobertos" pela operação Tapa-Buraco, durante os anos de 2011 e 2012, quando a Capital era administrada por seu irmão, o ex-prefeito Nelson Trad Filho (PMDB).

Em 2011, o jornal Centro Oeste Popular publicou uma série de reportagens que denunciavam buracos falsos em Campo Grande, uma delas que revoltou população, foi na Vila Alba. As empresas lucravam com buracos que sequer existiam. Nelsinho foi o prefeito que mais gastou com Tapa-Buraco. Apenas em 2012, ele gastou R$ 255 milhões com a operação, que hoje Fabio Trad chama de indústria da corrupção. 

Alcides Bernal, por exemplo gastou, em 2013, R$ 125 milhões e Olarte gastou até agora R$ 137 milhões. Questionado sobre o motivo pelo qual o deputado preferiu deixar de fora as investigações dos falsos buracos da gestão de seu irmão, Fabio simplesmente alegou que o MPE (Ministério Público Estadual) já investigou o caso e que o inquérito foi arquivado.

No entanto, existem fortes indícios que irregularidades e fraudes durante gestão de Nelsinho na contratação de serviços de tapa-buraco e cascalhamento primário. A reportagem do MS Notícias teve acesso a toda relação de empresas prestados desse tipo de serviço na gestão de Nelsinho, e constatou que uma das empresas que mais lucrou com operação foi a Pavitec.

O dono da Pavitec é Celso Antonio Salmazo, que é marido da eva Salmazo, que era secretária de finanças de Nelsinho e amiga pessoal de Antonieta Amorim, ex-esposa de Nelsinho. Eva chegou a assinar aditivos de contrato da empresa com prefeitura, contratos milionários.

Fabio, no entanto, reforçou à reportagem que essas evidências devem ser descartadas, e que não investigará a gestão de seu irmão por acreditar que não há nada de irregular. Fato é que a possível ação contra corrupção que Fabio pretende impor a Olarte pode desgastar a imagem do prefeito, que em 2016, pode ser adversário de um dos seus irmãos na disputa pela prefeitura da Capital.

Na segunda-feira, publicaremos a relação completa da empresas e os valores pagos pela prefeitura.