21 de abril de 2021
Campo Grande 32º 18º

Eleições

Em Bonito, a lógica inversa: candidatos a vice vão decidir

A- A+

Afastada qualquer hipótese de obstrução judicial ao exercício de seus direitos políticos, os ex-prefeitos José Arthur de Figueiredo (PMDB) e Geraldo Marques (PDT) seriam, de acordo com a lógica reinante em Bonito, os principais concorrentes do prefeito Leleco Brito (PT do B) na sucessão deste ano.

Mas a lógica convencional nem sempre domina a política. Com a decisão de Leleco de não disputar a reeleição, cresceria compulsoriamente a possibilidade de Zé Arthur e Marques avançarem como favoritos absolutos à principal cadeira de representação do poder político bonitense. Não foi o que aconteceu. Os dois ex-prefeitos saltaram da cena principal para assumir papéis de coadjuvantes na disputa, como candidatos a vice-prefeito: Zé Arthur na chapa do tucano Odílson Soares e Geraldo fazendo companhia ao vereador Josmail Rodrigues (PR), o escolhido de Leleco para sua suesão.

Em 2008 Zé Arthur derrotou Marques por minguados 311 votos e tornou-se prefeito de Bonito pela terceira vez. Marques voltou à carga em 2012, candidatou-se e venceu a eleição, porém não tomou posse. Com base em denúncia do Ministério Publico inspirado na lei da ficha limpa, a Justiça Eleitoral invalidou os 6.611 votos do pedetista e os 6.089 de Leleco, anulou o pleito e determinou eleições suplementares. Marques ficou impedido de disputar a nova eleição, realizada em março de 2013 e vencida por Leleco, que bateu o tucano Odílson de Arruda Soares.

Neste cenário cujos personagens se entrelaçam em diferentes situações, engana-se quem imaginar que Zé Arthur e Geraldo Marques serão meros figurantes. Ambos não se enquadram no perfil clássico dos candidatos a vice que, mesmo com importância representativa definida, se propõem a papéis auxiliares. Os dois ex-prefeitos já são protagonistas e influem decisivamente na balança das escolhas do eleitorado.

E atraem para Bonito o interesse e o envolvimento das mais expressivas lideranças estaduais. Estão garantidas na sucessão local, por exemplo, as presenças do governador Reinaldo Azambuja e de dois ex-governadores, André Puccinelli e Zeca do PT. O governante tucano e o peemedebista Puccinelli subirão no palanque de Odílson, enquanto Zeca vai dedicar boa parte de sua agenda eleitoral à campanha de Josmail.