01 de julho de 2022
Campo Grande 30º 19º

ELEIÇÕES 2022

Ex-ministro Mandetta confirma pré-candidatura ao Senado por MS

A principal rival no pleito será a também ex-ministra Tereza Cristina

A- A+

As últimas pesquisas de intenção de votos para o Senado em Mato Grosso do Sul mostram o ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta em  3º lugar, com sua pré-candidatura pelo União Brasil. Ele, no entanto, só confirmou que concorrerá a essa vaga nesta terça-feira (21.jun.22). Antes o nome dele foi alçado à pesquisa por especulação, pois, ele não havia confirmado a sua pré-candidatura formalmente à imprensa.  

Agora, com o nome de Mandetta nas prévias, Tereza Cristina (PP), ex-ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, enfrentará o ex-colega de Planalto. Isso porque, Mandetta foi ministro da Saúde de Jair Bolsonaro (PL), mas acabou demitido em abril de 2020 após Bolsonaro se enciumar pelo o então Ministro estar "saindo muito na mídia". Naquela época, Mandetta ganhou destaque em razão de sua atuação no combate à Covid-19 e por se negar a receitar cloroquina às pessoas, como sugeria Bolsonaro. A briga de ego resultou no fim da aliança entre ambos os políticos de direita. 

Antes de chegar ao Planalto, Mandetta fez carreira como médico e é ex-deputado federal em Mato Grosso do Sul, onde detém eleitorado. 

Natural de Campo Grande, Mandetta seguiu a profissão do pai, o médico Hélio Mandetta. Cursou medicina na Universidade Gama Filho, no Rio de Janeiro, fez residência em ortopedia na Universidade Federal do Mato Grosso do Sul e uma especialização em ortopedia em Atlanta (EUA).

Em MS, Mandetta também foi dirigente de plano de saúde e secretário municipal. Ele presidiu a Unimed de Campo Grande entre 2001 e 2004 e, ao encerrar sua gestão, assumiu a secretaria de Saúde de Campo Grande.

EX-ALIADA 

Mandetta ao lado de Rose, segundos após concluir seu discurso destinando diversos elogios à filiada do União Brasil. Foto: Tero QueirozMandetta ao lado de Rose Modesto, segundos após concluir seu discurso destinando diversos elogios à filiada do União Brasil. Foto: Tero Queiroz

A principal rival de Mandetta no pleito será justamente Tereza Cristina. Ela, porém, ainda espera uma decisão do Planalto se será ou não a vice de Jair Bolsonaro. Mostramos recentemente aqui no MS Notícias que Tereza é o nome apoiado pelo Centrão para o cargo a vice do atual mandatário. Além dela, a ala militar apoia o nome do general Walter Braga Netto

O nome de Cristina seria uma tentativa de resolver a estagnação de Bolsonaro nas pesquisas eleitorais de intenção de voto, nas quais lidera o ex-presidente Lula. Na última 4ª feira (15.jun), Bolsonaro afirmou que a ex-ministra é um “excelente nome” e tem “poder de articulação”. “Tereza Cristina é um nome excepcional para o Senado, como é excepcional para ser vice também, pelo seu poder de articulação. Mas não está batido o martelo sobre o nome dela nem sobre o Braga Netto” , disse em entrevista à jornalista Leda Nagle, que tem um canal no YouTube.  

Para Mandetta, porém, Tereza Cristina não será vice de Jair Bolsonaro e ela terá dificuldade para explicar a "comida cara" e manter o favoritismo na disputa do Senado em MS.  A avaliação do pré-candidato ao Senado foi feita em entrevista à Coluna do Estadão, do jornal O Estado de São Paulo deste domingo (19.jun.22).

"Bolsonaro não põe a Tereza porque não confia em ninguém, muito menos nela, que fala pelos ruralistas. Dali saíram os impeachments", analisou, Mandetta. 

Mandetta ainda lembrou que a condução da ex-ministra na pasta da Agricultura resultou nas altas dos preços dos alimentos e disse que a disputa pela vaga ao Senado no seu estado está intensa. “Com o preço da comida onde está, Tereza tem muito a explicar", apostou.