28 de outubro de 2020
Campo Grande 28º 21º

Governador nega apoio de grupo de Simone a Delcídio

O governador André Puccinelli (PMDB) negou hoje pela manhã que exista um grupo dentro do PMDB, capitaneado pela pré-candidata do partido ao Senado Simone Tebet, que esteja apoiando o pré-candidato do PT ao governo do Estado senador Delcídio do Amaral. "Parem de fazer fofocas, a Simone está apoiando Nelson Trad Filho e quem falar o contrário é venenoso e mentiroso", disse Puccinelli. A declaração foi concedida hoje pela manhã durante lançamento da Pedra Fundamental da Fábrica de Proteínas de Soja em Campo Grande, no distrito Indubrasil.Questionado sobre o apoio do PMDB de Mato Grosso do Sul à reeleição da presidente. Puccinelli praticamente deu como certo que seu partido irá apoiar Dilma, mesmo que isso custe a Nelsinho a ausência de um palanque nacional.  "Na executiva nacional, são 16 delegados estaduais e os deputados federais Marçal Filho, Geraldo Resende, Fabio Trad, o senador Moka e eu votamos na convenção nacional e todos votaremos no Michel Temmer com componente da chapa, portanto votaremos na coligação PT e PMDB a novel nacional", garantiu André. Desta forma, o governador põe fim ás aspirações de Nelsinho, que pode ver sua aliança com PSB cair por água abaixo. Afinal, a base do PSB já se manifestou contrária ao apoio mesmo tendo em Nelsinho a chance de viabilizar um palanque para o presidenciável Eduardo Campos, e caso isso não acontece, não sobram muitos motivos para o PSB se manter ao lado de Nelsinho. Questionado sobre o isolamento em que Nelsinho se encontra em relação aos aliados políticos, o governador preferiu não se manifestar e disse a imprensa que esta é uma questão que deve ser tratada diretamente com Nelsinho. Em especial em relação ao DEM cujo presidente regional é o deputado Luiz Henrique Mandetta, primo de Nelsinho, Puccinelli garantiu que não irá interferir. "Conversem com Nelsinho, o Mandetta é primo dele". Mandetta, ao que tudo indica, já respondeu Nelsinho e afirmou que está mais próximo do tucano Reinaldo Azambuja. Já em relação à derrota que tirou o PR do PMDB, Puccinelli afirmou que todos na política pagam mico de vez quando. "Eles estão pagando mico do lado de lá e nós do lado de cá. Na política é assim".