19 de junho de 2021
Campo Grande 27º 14º

Jerson admite estranheza na demora do TCE em comunicar vacância de conselheiro

A- A+

 A questão do próximo nome para ser indicado, para ocupar o cargo de  conselheiro do TCE (Tribunal de Contas do Estado), com a aposentadoria de José Ricardo Pereira Cabral, atual vice-presidente, ainda é uma dúvida até para o deputado estadual e futuro conselheiro, Jerson Domingos (PMDB).

O que causa certa estranheza para Jerson é o fato da demora, por parte do Tribunal, para a comunicação da vacância. “O conselheiro Zé Ricardo já entrou com seu pedido de aposentadoria, mas ainda não foi publicado, portanto ele continua presidente, o que eu acho muito estranho”.

Para o futuro conselheiro, o órgão que é técnico e não político, não necessitaria de toda a burocracia imposta para verificar se José Ricardo está apto para a sua aposentadoria. O objetivo é que o nome do novo conselheiro seja indicado pelo governador do Estado, André Puccinelli (PMDB), à Assembleia Legislativa, para que até o dia 18 de dezembro ser votado pelos parlamentares.

“Quando existe um compromisso verbal, com a possibilidade de indicação de um deputado estadual, o Tribunal deve mandar o ofício comunicando a vacância, o governador indica o nome para ser aprovado”, disse.

Para Jerson a demora pode estar sendo travada pela diretoria do TCE e pela falta de autoridade, que não determina à diretoria a velocidade necessária para que o pedido de vacância seja realizado. “Quero pedir para o TCE prioridade nesta questão”.

O presidente se diz preocupado com a situação da Assembleia Legislativa, já que o governador já ventilou que o nome indicado será do deputado  Arroyo (PR), cabe a Jerson defender a Casa de Leis , em relação ao nome do deputado, e garantiu que o nome que o governador indicar será aprovado, mesmo que não seja o do cotado.

Jerson deixou claro que não ficaria satisfeito se Puccinelli convocar uma sessão extraordinária somente para que seja decidido o nome do conselheiro. “Não gostaria que fosse convocada uma extraordinária, até porque isso gera ônus para o Estado, não tem necessidade”.

Jerson deverá ser nomeado no dia 30 de dezembro, conforme solicitou ao governador André Puccinelli.

Tayná Biazus