30 de setembro de 2020
Campo Grande 40º 23º

Apoio de PMDB à aliança com Dilma prova força de Puccinelli, afirma deputado

Ao ter a maioria dos votos dos membros do PMDB (Partido do Movimento Democrático Brasileiro) de Mato Grosso do Sul a favor da aliança entre o vice-governador Michel Temmer (PMDB) e a pré-candidata a presidência da República, Dilma Rousseff (PT), com exceção dos votos do deputado federal Fábio Trad, do pré-candidato ao governo do Estado, Nelson Trad Filho e do deputado federal, Geraldo Resende, o deputado estadual e presidente da ALMS (Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul), Jerson Domingos (PMDB) ressaltou que o resultado é um reflexo positivo da força que possui o governador de Mato Grosso do Sul, André Puccinelli (PMDB).

“Esse resultado é a representação da força que possui o nosso governador, André Puccinelli. É uma prova de que a maioria dos membros do nosso partido reconhece o que a presidente Dilma fez por Mato Grosso do Sul. Apenas o Nelsinho, o Fábio Trad e o Geraldo Resende votaram contra e isso é uma prova de que a maioria lutou por essa coligação”, explica o deputado.

Jerson acredita que com a aprovação da aliança entre Temmer e Dilma, os eleitores podem se confundir com a situação estadual, já que o pré-candidato ao governo do Estado, Nelson Trad Filho (PMDB) deixou claro que o PMDB (Partido do Movimento Democrático Brasileiro) apoia a pré-candidatura de Eduardo Campos (PSB) para presidente.

“Eu acredito que essa situação vai confundir a cabeça do eleitor. Nacionalmente, o partido votou por uma aliança entre o PT e o PMDB, já no Estado o partido está defendendo um pré-candidato de outro partido. A convenção ainda vai formalizar o apoio, mas acredito que o eleitor vai achar estranho apoiar nacionalmente a aliança e no Estado estar com o PSB (Partido Socialista Brasileiro)”, finaliza Jerson.

Dany Nascimento