21 de abril de 2021
Campo Grande 32º 18º

Mesmo após mensalão e Lava Jato, na disputa presidencial com Aécio e Marina, Lula é o 2º colocado

A- A+

A política está longe de ser uma ciência exata, e opinião pública pode mudar rapidamente fazendo com que bandidos viram mocinhos e vice e versa. 

Nessa lógica do dinamismo, o Brasil já resgatou do esquecimento até presidentes cassados, como é o caso do atual senador Fernando Collor de Mello, que, em 1992 foi derrotado pelo impeachment. Recentemente, temos como exemplo mais próximo o Partido dos Trabalhadores (PT) e seus principais líderes. O ex-presidente Lula sobreviveu aos escândalos do mensalão, que devastou boa parte de sua equipe política e econômica no segundo mandato, e conseguiu eleger e reeleger uma sucessora, atual presidente da República Dilma Rousseff. Porém, com deflagração da Operação Lava Jato o reinado petista demonstrou sinais de fraqueza, ruiu, mas, ainda, não desmoronou. Ao menos é o que indica uma pesquisa feita pelo Instituto Datafolha divulgada nesta segunda-feira (29). 

Conforme a pesquisa, Lula aparece como segundo colocado em quatro cenários diferentes tendo como rivais tucanos Aécio Neves, Geraldo Alckmin e José Serra e a ex-petista senadora Marina Silva (Rede). Com todos os adversários, Lula possui 20% de intenção de votos. Embora a rejeição ao petista tenha aumentado dois pontos percentuais em relação à pesquisa feita pelo mesmo instituto em dezembro quando o ex-presidente tinha 47% de pessoas dizendo que não votariam nele, os adversários do ex-presidente também perderam em média dois pontos percentuais na intenção de votos.

Em uma cenário tendo Geraldo Alckmin representando o PSDB, Lula permanece em segundo, mas quem lidera a disputa é a senadora Marina Silva. Alckmin fica em terceiro. O mesmo cenário se repete quando é José Serra quem representa o PSDB. Lula fica em segundo e Marina Lidera. Apena Aécio Neves conseguiu a primeira colocação na intenção de votos com 26%, Lula possui 20% e Marina 19%, como a margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos, neste cenário com Aécio, Lula e Marina estão tecnicamente empatados. 

Interessante ressaltar que o número de brasileiros que pretendem anular o voto ou votar em branco aumentou. A opção do voto nulo atingiu 19%. Em todos os cenários, o deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) aparece em quarto colocado. Segundo o diretor do Datafolha, Alessandro Janoni, o crescimento ou não de Lula como candidato à presidência, em 2018, vai depender de três fatores:o tempo restante até pleito eleitoral, o andamento da Lava Jato e a recuperação da economia brasileira no governo de Dilma Rousseff.