03 de maro de 2021
Campo Grande 31º 22º

Negociação

Mesmo com crescimento da receita inferior a 3%, Governo conseguirá reajustar salário do servidor

O governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), reconheceu a legitimidade dos protestos de servidores públicos em relação à proposta oferecida pelo Governo do Estado quanto ao reajuste salarial.

Conforme sindicato que representa 39.587 mil servidores estaduais, que estiveram reunidos nesta quinta-feira (31) com Secretário de Estado de Administração, Carlos Alberto de Assis, a proposta do Governo de abono no valor de R$ 200 ficou bem abaixo do percentual exigido de reajuste, que é de 16,14%, que representa acúmulo da inflação dos últimos dois anos.

Reinaldo diz respeitar o protesto e a reivindicações de todos os servidores, porém, explica que o atual caixa do Estado não permite reajuste superior. “Protesto é legítimo. O Governo nunca vai tirar isso dos servidores Nós propusemos reajuste que varia de 4% a 20% para todas as categorias num cenário que a receita cresceu 2,87%. Mesmo sem ter receita em crescimento estamos aumentando valor. Isso vai ser debatido com servidores e acredito muito na responsabilidade de que todos nós gestores públicos temos que ter”

Pacote de Bondades

O governador também lembra que, na realidade, se for considerado período entre maio de 2014 e maio de 2016, os servidores terão reajuste salarial superior a 20% devido ao que chefe do Executivo chama da ‘pacote de bondades’ de seu antecessor André Puccinelli (PMDB), que no final de 2014 aprovou reajuste slarial para todos servidores estaduais.

“Nos últimos  dois anos, nos já tivemos reajuste de mais de 20% para todas as categorias porque em dezembro de 2014 todas as categorias entraram no pacote de bondades deixados pelo governo anterior e o ônus foi deixado para nosso governo. Estamos propondo o que é possível. Vamos atender categorias com escasso recurso disponível porque estamos praticamente no limite prudencial da Lei de Responsabilidade Fiscal, e se ultrapassarmos esse limite quem sofre as sanções é o Estado”, finaliza.

De acordo com tabela salarial apresentada nesta quinta pelo Governo, o impacto do abono no rendimento dos servidores será  4,5% a 6,6% para 8.706 funcionários; 6,67% a 9,9% para 5.296 e 10% a 20% para 11.899. O aumento é destinado aos servidores ativos e inativos, com exceção de professores, funcionários convocados e comissionados.