08 de dezembro de 2021
Campo Grande 32º 22º

DE VOLTA

Murilo Zauith prioriza família e saúde, mas prepara retomada política

Ex-governador passou nove meses internado, com entubação pela Covid e infecção oportunista

A- A+

De janeiro a setembro deste ano foram nove meses de aguda provação em rigoroso tratamento hospitalar - e nesse período, em 28 dias de absoluta e total abstração, entubado, inerte, sem ter sequer a noção real das possibilidades de vida, "sob a proteção de Deus, o apoio da família e os cuidados da equipe do Hospital Albert Einstein", em São Paulo. Sair vivo era uma incógnita, porque as chances pareciam cada vez menores. No entanto, a Covid-19 e uma infecção oportunista, grave e resistente, não conseguiram derrubar Murilo Zauith.

A alta médica em setembro tirou o vice-governador do leito de UTI hospitalar e o trouxe de volta a Mato Grosso do Sul. Primeiro, ao aconchego familiar (a mulher, Cecília, e o casal de filhos) e à tranquilidade da sua casa, em Dourados. Recuperou 10 kg dos mais de 15 kg que havia perdido. Caminha lentamente, apoia-se numa bengala, mas os passos são seguros e alegres, de quem se recupera a olhos vistos. Segue o tratamento e submete-se às orientações dos médicos.

Sobre a entrevista - na manhã chuvosa de quinta-feira, 14 de outubro -, Zauith, 71, disse ter sido a primeira desde que foi internado. Colocou-se à disposição para o tempo que a reportagem julgasse necessário. Pausada e serenamente, como é de seu feitio, fez um relato sobre a mais dolorosa experiência de sua vida.

Lembra que tomava todos os cuidados preventivos, do distanciamento social aos protocolos de higiene, contudo decidiu fazer o teste, mesmo sem ter sintomas. "Tive então a grande surpresa: deu positivo. Cheguei em casa, contei e pedi que todos redobrassem os cuidados. E procurei o atendimento médico". A partir daí teve início um combate sem tréguas contra o coronavírus e a infecção que se aproveitou de um organismo a cada dia mais debilitado.

A partir do instante em que recobrou os sentidos e a noção das coisas, ainda no hospital sentiu que viver ganharia um novo e mais sublime significado. "Não era apenas sair dos tubos, da UTI, do desfalecimento. Era redimensionar o valor da fé, do amor da família, da Ciência". E reforça a constatação de um sentimento que se sublimou nesses nove meses, com a presença dos filhos e, especialmente, da esposa, Cecília:
"Eles nunca deixaram de estar comigo, ao meu lado, nunca desistiram, sempre me transmitiam um ânimo extraordinário, que eu recebia e com isso me nutria, mesmo estando inconsciente, às vezes só com um dedo das mãos se mexendo". Para Zauith, esta presença foi fundamental para enfrentar e vencer a dificuldade extrema de respirar e outros impactos severos no organismo. Por isso, enfatiza: nunca se sentiu sozinho, mesmo sobre um leito hospitalar, sem se mover, mas recebendo o carinho da família e a atenção e solidariedade dos amigos.

VIDA PUBLICA

Edson Moraes entrevista Murilo Zauith. Foto: Valmirar Gomes.Edson Moraes entrevista Murilo Zauith. Foto: Valmirar Gomes.

A política não dominou a conversa, embora Zauith não se recusasse a responder qualquer pergunta. Em processo de recuperação, e com ótimas respostas do organismo, ele afirmou que por enquanto suas prioridades são o convívio com a família e a sequência do tratamento. Mas é categórico sobre sua volta às lides políticas: "Tenho, sim, um projeto para oferecer ao Estado; tenho amigos, pessoas, partidos e forças sociais que já se manifestam para fazer essa nova caminhada comigo", revela, sem dar detalhes.

Ele ainda não se permite aprofundar ou estender a atividade política na convalescença, mas vem fazendo contatos com lideranças de vários partidos que o visitam ou por telefone. Garante estar preparado para voltar ao cenário e continuar contribuindo para o desenvolvimento humano e sustentável de Mato Grosso do Sul.

Ex-presidente e um dos mais destacados líderes do DEM, o vice-governador ainda está avaliando os impactos no País e no Estado da fusão com o PSL, que formou o Partido União Brasil, para só então tirar uma conclusão sobre o rumo a ser seguido.

Zauith é o primeiro na linha de sucessão do governador Reinaldo Azambuja caso este se afaste em 2022 para disputar outro cargo eletivo. Zauith acumula experiências vitoriosas com as urnas: duas vezes vice-governador (a primeira, de André Puccinelli, de 2007 a 2010, e a segunda, de Reinaldo Azambuja, de 2019 a 2022), dois mandatos de deputado estadual, um de deputado federal e dois de prefeito em Dourados.