04 de maro de 2021
Campo Grande 32º 22º

'Não cometi quebra de decoro', diz Luiza sobre declarações de "mensalinho" feitas ao MPE

Leia também

• Ex-secretário, na época, responsável por "tapa-buraco" acumula patrimônio milionário

• João Amorim, Giroto e mais 7 são presos por suposto envolvimento em 'organização criminosa'

Depois de dizer ao MPE (Ministério Público Estadual) em depoimento que alguns vereadores de Campo Grande recebiam "mensalinho", a vereadora Luiza Ribeiro (PPS) terá de responder a um processo perante a Comissão de Ética da Câmara.

O documento solicitando início do processo de investigação por suposta quebra de decoro foi protocolado na Casa de Leis nesta segunda-feira (9) e contou com assinatura de oito parlamentares.

Francisco Luis Saci (PRTB), Edil Albuquerque (PMDB), Otávio Trad (PTdoB), Gilmar da Cruz (PRB), Edson Shimabukuro (PTB), Ademar Vieira Junior, o Coringa (PSD), Airton Saraiva (DEM) e Jamal Salem (PR) assinaram o requerimento.

Destes. Edil, Shimabukuro, Saraiva, Gilmar da Cruz e Jamal são investigados pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) na Operação Coffee Break, que apura se houve compra de votos para cassar prefeito Alcides Bernal (PP) em 2014.

Luiza diz que não tem o que temer e reforça que não houve intenção de ofender nenhum colega da Casa e sim que ela cumpriu seu papel ao responder questionamentos do MPE em depoimento sigiloso."Não tenho nada para falar a respeito do depoimento, o que posso dizer é que recebi o requerimento e terei a oportunidade de me defender. Não cometi nenhuma quebra de decoro, não quis ofender ninguém e vou me defender na hora que for apropriada", diz Luiza. 

Coringa explica que a expectativa dos parlamentares é que alguma providência seja tomada diante das declarações da vereadora. "Assinamos o documento, temos que esperar a comissão de ética para que alguma providência seja tomada. Agora algo precisa ser feito" diz.