25 de janeiro de 2022
Campo Grande 36º 23º

População desacredita em imparcialidade de vereadores diante de Comissão Processante

A- A+

Enquete lançada na última sexta-feira (21) pelo MS Noticias mostrou que grande parte da população da Capital desacredita dos trabalhos dos vereadores da Câmara de Campo Grande.

Ao questionar sobre a imparcialidade de João Rocha (PSDB), Paulo Siufi (PMDB) e Chiquinho Telles (PSD),integrantes da Comissão Processante que investiga o ex-prefeito Gilmar Olarte (PP por liminar) por falta de decoro em denúncia de corrupção passiva e lavagem de dinheiro feita pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), pelo menos 86% disseram desacreditar  que os vereadores investigarão o ex-prefeito com isenção.

Hoje (27), o atual presidente da Câmara Municipal Flávio César (PT do B) garantiu que os trabalhos insaturados (Comissão Processante contra Olarte e CPI das Contas Públicas, que investiga possíveis  irregularidades na prefeitura da Capital) na Casa seguirão normalmente.

Em meio às mudanças administrativas, ocorridas com o retorno de Alcides Bernal (PP) a frente da prefeitura de Campo Grande, a expectativa é de que agora, os vereadores  reavaliem posicionamentos e possam demonstrar imparcialidade ao prosseguirem com os trabalhos da Comissão Processante, já que a justiça determinou o afastamento de Gilmar Olarte do Executivo e a  1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul determinou a reintegração de Alcides Peralta Bernal ao cargo de prefeito.

Na decisão anunciada na tarde da última terça-feira (25), presidida pelo desembargador Sérgio Martins, os magistrados revalidaram sentença do juiz David de Oliveira Gomes, da 1ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos.

No mesmo dia, o ex-presidente da Câmara Mário Cesar (PMDB) também foi afastado das funções legislativas por meio de decisão judicial. Tanto Gilmar Olarte quanto Mario Cesar são objetos de investigação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) por possível envolvimento em esquema de corrupção passiva e ativa e lavagem de dinheiro.