21 de outubro de 2021
Campo Grande 31º 17º

Nomeação de Lula como ministro reduz otimismo do mercado financeiro e dólar tem alta de 3,76%

A- A+

A delação premiada do senador Delcídio do Amaral provocou estrago não só no Palácio do Planalto, mas também na economia brasileira.

Segundo revelou Delcídio, em acordo de colaboração premiada, que a presidente Dilma Rousseff (PT) tentou intervir junto a ministros do Supremo Tribunal Federal para diminuir penas de investigados na Lava Jato. Outra informação do senador que desestabilizou o governo foi a divulgação de uma gravação que traz a conversa entre o ministro da educação Aloizio Mercadante e assessor de gabinete de Delcídio, Eduardo Marxazgão. No diálogo, Mercadante oferece ajuda ao senador dizendo que poderia ajudar nos gastos com advogados. Delcídio interpreta a "ajuda" como tentativa de comprar seu silêncio.

O senador também reforçou que o pecuarista José Carlos Bumlai possui ligação muito estreita com ex-presidente Lula. Segundo Delcídio, Bumlai foi encarregado por Lula para montar toda estrutura do Instituto Lula, em São Paulo.

A divulgação do conteúdo da delação premiada de Delcídio fez com Lula e Dilma passassem quatro horas em reunião na tarde desta terça-feira (15) em Brasília. Segundo aliados do governo e petistas, a presidente deve confirmar nesta quarta-feira (16), a nomeação de Lula como ministro, a expectativa é que o ex-presidente assuma a Secretaria de Governo.

Entretanto, embora a vinda de Lula represente uma sobrevida política para o governo de Dilma Rousseff e possa ser positiva para relacionamento político da administração petista, para a economia, a notícia da continuidade do atual governo e sua eventual recuperação com entrada de Lula trouxe impactos negativos.

O Ibovespa caiu 3,65% e o dólar subiu 3,76% voltando a R$ 3,75. Segundo empresários e analistas de mercado que concederam entrevista ao jornal Folha de São Paulo, há temor no mercado em relação à política econômica que possa ser adotada pelo governo, que pode não incluir os ajustes fiscais considerados fundamentais para setor empresarial e retomar crescimento da economia com novos investimentos.