02 de dezembro de 2021
Campo Grande 30º 22º

Prefeito autoriza doação de terreno para construção de faculdade de direito da UFMS

A- A+

O prefeito de Campo Grande Gilmar Olarte (PP) assinou ontem o termo de doação de um terreno do município para a UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) onde será construído o prédio da Fadir (Faculdade de Direito) de UFMS. A assinatura ocorreu depois de cinco anos de espera. Conforme a diretora do curso de direito Ynes da Silva Felix, a doação permitirá a construção do prédio de 28 mil metros quadrados para abrigar os 600 estudantes de direito da universidade e permitir que sejam criados cursos de extensão como pós-graduação e mestrado. Para o prefeito, assinar o termo de doação foi considerado um privilégio, uma vez que o terreno beneficiará a criação de um centro apropriado para receber os estudantes.O governador André Puccinelli (PMDB), presente no evento, destacou a importância de Olarte ter se sensibilizado com a necessidade dos estudantes de direito. "Desde 2009 temos tentado conseguir este terreno. Eu solicitei aos deputados a autorização para doar um terreno do Estado no Parque dos Poderes, mas para minha surpresa o pedido foi negado, mas em 2009 conseguimos junto ao então prefeito Nelson Trad Filho (PMDB) a doação, que infelizmente ficou suspensa em 2013 e até hoje porque o ex-prefeito resolveu cancelar tudo da gestão anterior a dele", explicou o governador. Puccinelli se comprometeu a disponibilizar a equipe técnica do governo do Estado para elaborar os projetos complementares da obra referente às questões hidráulicas e elétricas. Para a vice-governadora Simone Tebet, a doação representa o esforço conjunto dos poderes municipal, estadual e federal. "A universidade embora seja federal é de responsabilidade do poder público, pois a educação é de responsabilidade do poder público", analisa Simone. Já o deputado federal Vander Loubet (PT), coordenador da bancada de Mato Grosso do Sul no Congresso, garantiu que os deputados federais e senadores farão todo esforço possível para viabilizar recursos federais para construção do prédio. "Certamente trabalharemos com as emendas individuais e coletivas e acredito que para 2015 conseguiremos aproximadamente R$ 23 milhões." Heloísa Lazarini