17 de abril de 2021
Campo Grande 31º 20º

'Será feita a demissão'

Prefeito montou comissão para analisar contratos com Omepe e Seleta

Com relação aos contratos irregulares com a Omepe e Seleta o prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), disse na manhã desta sexta-feira (14) durante evento no Centro de Atendimento ao Cidadão (CAC), que os casos serão analisados.

“Eu já constituí uma comissão para analisar caso a caso, porque existem casos realmente que são muito graves, de pessoas que ganhavam sem ir trabalhar, ao em lotações indevidas e para cada caso identificado vai ser tomado uma providência e será feita a demissão. Agora o que não dá é para demitir 4.500 pessoas de uma vez só, se não paralisa os Centros de Educação Infantis (Ceinfs), as escolas, além de criar um problema social terrível que é o desemprego”.

Em uma nota oficial publicada na quarta-feira 9 de março deste ano, Bernal afirma que "as irregularidades apontadas pelo Ministério Público Estadual, nos contratos com as entidades Omep e Seleta, são referentes à administração que esteve no comando da prefeitura até 2012 e à gestão que comandou a cidade entre março de 2014 e agosto de 2015." Em 2012, a prefeitura era administrada por Nelsinho Trad (PTB) e no período de março de 2014 a agosto de 2015 por Gilmar Olarte.

O prefeito disse naquela oportunidade que, ao retornar ao cargo em 27 de agosto de 2015, determinou que fosse feito um levantamento dos contratados via Omep e Seleta com intuito de desligar os funcionários que estivessem em situação irregular. Bernal pontua que iniciou processo de demissão dos funcionários contratados via Omepe e Seleta em janeiro deste ano e culpa os antecessores pela impossibilidade de demitir todos os contratados agora, descumprindo exigências do MPE. Bernal alega que a falta de planejamento dos prefeitos anteriores impedem que todos contratados sejam desligados da Prefeitura.