04 de agosto de 2021
Campo Grande 28º 14º

PT do B leva advogado à Câmara para desmistificar depoimento de vereadores ao Gaeco

A- A+

Para esclarecer a população sobre o motivo pelo qual os vereadores da bancada do PT do B foram notificados para depor no processo nº 02/2014, o advogado do partido Valdir Custódio da Silva esteve na Câmara de Vereadores hoje pela manhã. Segundo o advogado,  o moitvo da entrevista coletiva à imprensa é para desmistificar as especulações recentes acerca do caso.Valdir não citou o teor do depoimento, alegando o sigilo referente ao processo, mas declarou que diante das informações que teve acesso, pode-se deduzir que o processo gira em torno do prefeito Gilmar Olarte (PP), no entanto, Valdir não explicitou o assunto. O advogado do PT do B fez questão de ressaltar que os vereadores foram ouvidos como testemunhas e que eles não configuram como pessoas investigadas. "Eles estão colaborando com as investigações como pessoas públicas e cidadãos. Eles não são investigados nem suspeitos", afirmou o advogado. a1   O vereador Flávio Cézar garantiu que dentro do partido a situação está sendo encarada com total tranquilidade e com muita naturalidade. "O PT do B está unido e nossa missão é trabalhar em prol da população e por isso estamos à disposição da justiça", disse Flávio. O vereador explicou que a vinda do advogado serviu para esclarecer a população sobre o caso e que o PT do B decidiu realizar a coletiva depois de informações veiculadas pela imprensa. "Não somos investigados não é nada para manchar nossa imagem", afirmou Flávio. Já o vereador Eduardo Romero afirmou que confia na justiça e no MPE (Ministério Público Estadual) e que a investigação tem seu aval. Romero também comentou que embora esteja tranquilo, o fato de ter sido notificado a depor gera incômodo diante da curiosidade das pessoas no geral e da imprensa acerca do fato. "Estamos tão tranquilos que até antecipamos nossos depoimentos para acelerar o processo, mas não podemos falar nada devido ao sigilo", explicou Romero. Os vereadores prestaram depoimento ontem na sede do Gaeco. Heloísa Lazarini e Tayná Biazus