30 de novembro de 2021
São Paulo 39º 24º

PT pode perder apoio de aliados por considerá-los "velhos", afirma Puccinelli

A- A+

Para o governador André Puccinelli (PMDB) o cenário político de Mato Grosso do Sul está longe de ter uma definição. Puccinelli, que não descarta por completo uma aliança com PT, embora reconheça que isso está cada vez mais difícil de acontecer, afirmou ontem que o PMDB pode angariar partidos aliados que eram considerados como certos pelo petista Delcídio do Amaral, pré-candidato do PT ao governo do Estado.

Dois desses partidos são o PR (Partido da República) e PDT. Segundo Puccinelli, até junho, quando acontecem as convenções partidárias muitas coisas podem mudar. O governador afirmou à imprensa na tarde de ontem depois de coletiva sobre a vinda da empresa Amaszonas Linea Aerea para Campo Grande, que o PT está mudando a forma de tratamento oferecida aos partidos com os quais vinha obtendo apoio.

"O PT começou a dizer, não fui que disse, vamos por os pingos nos is: Oh esses caras do PDT são meio velhos para compor conosco, esses caras do PR são meio velhos para compor conosco, quer dizer, parece que não estão, segundo o que vem de lá, mais tão agregadores assim", afirmou Puccinelli.

As declarações do governador fazem uma alusão a supostas reclamações de líderes do PR e do PDT em relação ao tratamento dado por Delcídio e pelo PT às legendas partidárias. Em relação ao PDT, é difícil mensurar se existe de fato esse descontentamento, até porque, na última terça-feira, o pré-candidato petista ao governo do Estado convidou o PDT a indicar o vice-governador de sua chapa.

Já em relação ao PR, a situação, realmente, pode estar mudando de configuração. O presidente regional do partido em Mato Grosso do Sul, deputado Londres Machado, afirmou ontem ao MS Notícias que o PR tem conversado com o tucano Reinaldo Azambuja, que também é pré-candidato ao governo. Outro agravante no caso dos republicanos pode ser o convite feito por Delcídio a Sergio Longen da Fiems (federação da Indústria e Comérico) para que ele seja seu pré-candidato ao Senado. O PR desde o início do ano deixou claro que irá se coligar com o partido que lhe oferecer espaço na chapa majoritária seja com a vaga do Senado ou vice-governador.

"Estamos conversando com o PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira). Ontem (terça-feira) o Reinaldo me ligou e disse que pretende passar por aqui na próxima semana para conversar. É isso que estamos fazendo, estamos conversando com os partidos”, afirmou Londres, que continua descartando a possibilidade de aliança com PMDB, embora o governador tenha garantido que o PR irá apoiar ao PMDB "por bem ou por bem".

Heloísa Lazarini