24 de junho de 2021
Campo Grande 31º 19º

Reinaldo empossa conselheiros do FCO e fala em saídas para a crise

A- A+

O governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), acredita no enxugamento da máquina sem perder a qualidade de serviços e atendimento e na agilidade administrativa em relação aos investimentos como forma mais racional de enfrentar a crise econômica que o país atravessa e que deve se prolongar, ao menos até o final de 2015.

Em evento onde deu posse aos conselheiros do Conselho Estadual de Investimentos Financiáveis pelo Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (CEIF/FCO), que irá administrar os R$ 1.386 bilhão destinados ao Mato Grosso do Sul, Reinaldo esclareceu que tem consciência da crise que está instalada e vê com preocupação a colocação da presidente Dilma, de que a economia só voltará a crescer no final do segundo semestre de 2015.

“Nesse ano de baixo crescimento, os governos estaduais precisam ter agilidade para a economia andar, por isso estamos criando um conselho ágil, com boa interlocução com o setor produtivo, para que esses recursos possam financiar projetos de empreendedorismo, e principalmente manutenção e geração de novos empregos em nosso estado”, disse o governador.

Em relação à queda na arrecadação, Reinaldo disse que dará prioridade aos investimentos fazendo a máquina pública funcionar a contento em atendimento à população, quer economizar nas contas públicas inclusive com a diminuição no número de em comissão, e promover mais eficiência no gasto de forma que a baixa receita não prejudique os investimentos pretendidos.

A respeito das prioridades em investimentos, assegurou que a Caravana da Saúde, que vai atender à demanda represada em todos os 79 municípios é o de maior urgência. O governador terá reunião com o ministro da Saúde, na quinta-feira em Brasília, para pactuar uma proposta de investimentos para melhorar a estrutura de saúde principalmente no interior do estado e, por conseqüência também a Capital que ficará desafogada. “Pretendemos concluir os hospitais do Trauma e do Câncer, ampliar leitos e aumentar o atendimento, e para isso precisamos de equilíbrio financeiro, que é o que nossa equipe está buscando”, finalizou.

Sobre a redução do ICMS sobre o diesel, e a redução da taxa de vistoria do Detran, Reinaldo disse que sua equipe está fazendo estudos e aguardando a agenda dos caminhoneiros em Brasília, que têm pauta junto ao Denatran, para que flexibilize para 10 anos, e caso isso venha a ocorrer, o Detran do estado também flexibilizará.