09 de maro de 2021
Campo Grande 31º 21º

'Revoltado', advogado de defesa da Amorim considera prisão absurda

Leia também

• João Amorim, Giroto e mais 7 são presos por suposto envolvimento em 'organização criminosa'

• Conhecida por entregar "cafezinho", secretária de Amorim é primeira a prestar depoimento

• João Amorim continua preso na Denar e aguarda habeas corpus

O advogado Benedito de Figueiredo, que defende empresário João Alberto Krampe Amorim dos Santos, dono da Proteco Construções Ltda, se disse "revoltado" com prisão do cliente e considerou ato absurdo.

Benedito está no MPE (Ministério Público Estadual) e conversou rapidamente com imprensa quando deixou prédio para buscar documentos no carro, e retornou em seguida para sede do MPE.

"A defesa está revoltada, já pedimos habeas corpus, mas não sei quando terei resposta. Onda já se viu prender uma pessoa só para prestar depoimento? Essa prisão é absurda", disse advogado.

Benedito ainda ressaltou que Amorim nunca se negou a prestar depoimento e tem colaborado com Justiça desde início da Operação Lama Asfáltica e da Operação Coffee Break, entretanto, no último depoimento que prestou ao Gaeco (Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado), depois de passar 34 horas preso, o empresário se negou a falar e não respondeu nenhuma das 70 perguntas feitas pelo promotor do Gaeco, Marcos Alex Vera.

Amorim está preso na Denar (Delegacia Especializada de Repressão ao Narcotráfico) desde manhã de terça-feira (11). A prisão temporária acaba no sábado (14) caso não seja prorrogada pela Justiça, O empresário foi preso a pedido do MPE que conduz Força Tarefa para investigar contratos da Proteco com governo do Estado e Prefeitura de Campo Grande.

No caso específico da prisão, o alvo da investigação é um contrato de R$ 2.9 milhões firmado entre Estado e Proteco para restauração da MS-228, em Corumbá. Segundo MPE, a empresa de João Amorim recebeu todo valor, mas não executou obras.