28 de novembro de 2020
Campo Grande 36º 23º

CORONAVÍRUS

Se não mudar, Brasil terá 137,5 mil mortos até julho, diz estudo

País ultrapassou hoje a marca de 40 mil mortos e se tornou o 2º com mais mortes no mundo

Leia também

• Das seis mortes por Covid-19 em MS, cinco são mulheres

• SES divulga 23 novos infectados, são 385 em MS e 11 mortes por Covid-19

• Brasil registra 14,9 mil novos casos e 816 novas mortes por covid-19

• Bolsonaro faz piada em dia de quase 18 mil mortes por Covid-19 no Brasil

• Brasil já é o 1º no mundo em registro diário de mortes por Covid-19

Brasil ultrapassou na tarde desta 5ª-feira (11.junho) a marca de 40 mil mortos pelo coronavírus. Segundo levantamento com base nos nos dados das secretárias estaduais de Saúde, compilados pelo consórcio realizado entre Globo, Folha e Estadão, às 13h (Brasília) o País registrou 40.276 mortes e 1878.489 casos confirmados de Covid-19.

Até a 6ªfeira (12.junho), o Brasil deve ultrapassar o número de mortes no Reino Unido, com 41.364 vidas perdidas para o vírus. A frente está apenas o Estados Unidos , que já tem 113.168 mil americanos mortos pela doença. A estimativa de que o Brasil deve ultrapassar o Reino Unido até amanhã é da Universidade de Washington (IHME), uma das principais fontes utilizadas pela Casa Branca para monitorar os dados sobre coronavírus pelo mundo, - 'Brasil deve se tornar epicentro da doença no dia 29 de julho', alertou os pesquisadores. Até lá, conforme estima o estudo, se seguir no mesmo ritmo, o Brasil terá 137,5 mil mortos e os EUA, 137 mil, ou seja, o Brasil será onde mais se perdeu vidas para o vírus no mundo. 

Caso o país não mude sua estratégia de combate à doença, seriam quase 4,4 mil mortes apenas no dia 29 de julho – o dobro do recorde atual, que é de 2.262 nos EUA.

Para atingir a projeção, o número atual de mortes no Brasil precisaria quase quadruplicar nos próximos 50 dias. No entanto, um avanço desse tipo já ocorreu no Brasil: haviam 10 mil mortes registradas em 9 de março e 38 mil em 9 de junho.