01 de dezembro de 2020
Campo Grande 33º 24º

CENÁRIO

Se os contra são militantes, o que são os que manifestam a favor de Bolsonaro?

Leia o editorial de hoje que avalia declarações do presidente

EDITORIAL - O presidente Jair Bolsonaro avaliou, nesta 2ª-feira (8.junho), que as manifestações contrárias ao governo são "o grande problema do momento" para ele. "Estão começando a colocar as mangas de fora", disse o presidente a apoiadores, no Palácio da Alvorada, no início da manhã. Bolsonaro afirmou. "A gente vai arrumando as coisas devagar", a começar pela primeira indicação que fará ao Supremo Tribunal Federal (STF) em novembro deste ano. Bolsonaro disse que os 'contra ele' são militantes. Mas e os a favor de seu governo também não seriam militantes? Só que de extrema-direita, ao invés da esquerda, como é caso dos manifestantes que assustam Bolsonaro.

"O grande problema do momento é isso que vocês estão vendo aí, um pouco na rua ontem, (eles) estão começando a colocar as mangas de fora", disse. Bolsonaro afirmou que existe "muito interesse" no País e, por isso, na visão do presidente, há uma "doutrinação em cima do Brasil, uma massificação, cada vez mais formando militantes". "Eu vou indicar o primeiro ministro do STF agora em novembro. O primeiro. A gente vai arrumando as coisas devagar aqui", declarou na sequência, em referência ao fato de que o decano da Corte, Celso de Mello, vai se aposentar.

Apesar das críticas ao movimento contrário ao governo, Bolsonaro afirmou que no domingo "não era o caso" dos seus apoiadores irem para as ruas na mesma data. Ele repetiu, como fez na semana passada, que não coordena os movimentos. Porém, desta vez os apoiadores do governo obedeceram o que indicou o presidente. Visto, que desta vez, ele não deixou dubiedade no pedido, como havia feito em outras ocasiões. 

Assim como fez nas redes sociais, o presidente também voltou a tentar colocar a responsabilidade pelas ações de combate ao coronavírus nos governadores, embora o governo federal não esteja isento de tomar medidas. "O Supremo deu todo o poder para (os governadores) gerirem esse tipo de problema, eu apenas injeto bilhões nas mãos deles. E alguns ainda desviam. Alguns", disse Bolsonaro.

Apesar de se colocar como um investidor em "poupança", Bolsonaro demonstra na entender que suas ações geram grandes impactos na sociedade que hoje, duvida da existência do vírus, quebra o isolamento social, se auto-medica com hidroxicloroquina, além de outras ações, todas elas incitadas pelo presidente da república. 

Uma próxima pesquisa deve apontar que mais de 70% da população já está contra o governo, que se sustenta agora, em seus menos de 30% de radicais de extrema-esquerda, que brigam entre eles, todos querendo um minuto de atenção. O caso de Olavo de Carvalho que gritou por socorro nas redes sociais, distribuindo palavrões contra Bolsonaro. Para provar de sua lealdade, Hung chamou empresários apoiadores do governo para doarem os R$ 2 milhões de ajuda ao guru, que está condenado a pagar o valor de indenização ao cantor Caetano Veloso, após caluniar o artista em uma rede social por meio de divulgação de fake news. Além deles , Silas Malafaia entrou na briga, mas contra o Guru: o chamou de "astrólogo falido" em publicação. 

Por outro lado, Bolsonaro assiste o esvaziamento dos seus apoiadores mais potentes e tem dificuldades para conseguir aliança com Rodrigo Maia. Os mais esclarecidos e menos fanáticos, já deixaram de apoiar Bolsonaro quando ele começou a lotear  cargos ao centrão, para receber apoio político.

Atos anti-Bolsonaro em diferentes pontos do país neste domingo (7) ganharam o reforço de gritos contra o racismo, causaram aglomerações e expuseram a cisão entre movimentos e partidos de oposição ao governo.