19 de abril de 2021
Campo Grande 31º 20º

BOLSONARISMO

Sem vacina, salta para 48% rejeição de Bolsonaro, diz pesquisa

Pesquisa divulgada nesta 4ª-feira (17.fev) revela pior desempenho do político

O trabalho de Jair Bolsonaro como presidente saltou à uma rejeição de 48% dos brasileiros. A proporção dos que consideram o desempenho do mandatário “ruim/péssimo” não ficava tão alta desde junho de 2020, quando alcançou os mesmos 48%. O levantamento é PoderData, pesquisa realizada de 15 a 17 de fevereiro de 2021 e divulgada na noite desta 4ª-feira (17.fev).

No Brasil, a vacinação já começou, mas a estimativa é de que a vacinação em massa só será atingida na metade do ano que vem, segundo estima a global da Economist Intelligence Unit (EIU), braço de pesquisa e análise da revista britânica The Economist.

O estudo destacou que Brasil e México, classificados como países de renda média, só terão doses para imunizar grupos prioritários devido aos acordos firmados com os laboratórios em troca da execução de testes clínicos.

Entretanto, a "capacidade de chegar à vacinação em massa depende de outros fatores, incluindo espaço fiscal, tamanho da população, número de profissionais de saúde, infraestrutura e vontade política".

Com isso, Bolsonaro assiste um país em colapso político social, e perde cada vez mais apoiadores. 

A taxa está 7 pontos percentuais maior do que a de 15 dias, quando a desaprovação era de 41%. O grupo que o avalia como “regular” também caiu: eram 22%; agora são 18%.

A taxa dos que consideram o trabalho de Bolsonaro “ótimo/bom” variou dentro da margem de erro da pesquisa: de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. Ficou em 31%.

Apesar do aumento da rejeição, desde o início da pandemia, mesmo nos seus piores momentos, como agora, nunca Bolsonaro deixou de ter o apoio de aproximadamente do eleitorado.

O trabalho de Jair Bolsonaro como presidente saltou à uma rejeição de 48% dos brasileiros. A proporção dos que consideram o desempenho do mandatário

Foram 2.500 entrevistas em 457 municípios, nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais. Saiba mais sobre a metodologia lendo este texto.

Para chegar a 2.500 entrevistas que preencham proporcionalmente (conforme aparecem na sociedade) os grupos por sexo, idade, renda, escolaridade e localização geográfica, o PoderData faz dezenas de milhares de telefonemas. Muitas vezes, mais de 100 mil ligações até que sejam encontrados os brasileiros que representem de forma fiel o conjunto da população.

FONTE: VEJA AQUI O LEVANTAMENTO COMPLETO NO PODER 360.