27 de janeiro de 2021
Campo Grande 31º 21º

Senadora tucana defende Delcídio e diz que ele será governador

A senadora Lúcia Vânia, do PSDB goiano, surpreendeu seus correligionários ao defender o senador Delcídio Amaral de acusações de adversários. E não ficou aí: também declarou simpatia pela pré-candidatura do petista e disse ter certeza de sua vitória nas próximas eleições. “É uma trajetória bonita, não vão denegrir. Eu tenho certeza que Vossa Excelência será o governador de Mato Grosso do Sul”, afirmou Lúcia Vâania , ao apartear Delcídio quando este se defendia, no plenário do Senado, das acusações do deputado federal Anthony Garotinho, do PDT, de patrocinar um projeto instituindo anistia fiscal para o repatriamento de recursos nao-declarados em contas no exterior. “Quando alguém oferece seu nome para disputar o governo há pessoas que usam artifícios tentando denegrir uma trajetória bonita, de trabalho, aplicada. O povo de Mato Grosso do Sul, em todos os municípios, sabe de sua atuação. Se porventura esses que se aventuram a falar coisas sem fundamento...a verdade vai aparecer. Vai prevalecer a sua competência”, enfatizou a senadora, dirigindo-se ao petista. Ela sequer ser referiu ao fato de seu partido ter um pré-candidato à sucessão sulmatogrossense, o deputado federal Reinaldo Azambuja. RETRATAÇÃO - Garotinho reconheceu ter-se equivocado ao atribuir a Delcídio a autoria do PL 5228/05, apensado ao PL 113/03, legalizando os recursos não-declarados no exterior e extinguindo a punibilidade dos delitos correspondentes. Na verdade, o projeto que confundiu Garotinho e o colocou em situação vexatória foi apresentado em 2003 pelo pelo deputado Luciano Castro (PR-RR), que na época era do PFL. Seu relator é o deputado petista José Mentor (SP). O projeto de Delcídio, de Cidadania Fiscal, foi sugerido em 2009, mas até hoj não saiu do Senado. O deputado federal carioca havia dirigido qualificações ásperas e grosseiras a Delcídio, que ao defender-se não empregou o mesmo tom. Com elegância, Delcídio o corrigiu e em mídia social desculpou-o assim: “Meu caro Garotinho, conforme conversamos hoje ficou caracterizado, com as informações trocadas entre nossas assessorias, que o PLS 354/2009 jamais foi pautado da CCJ da Câmara dos Deputados pelo simples fato de sequer ter sido deliberado pelo Senado Federal. Coube a mim, como presidente da Comissão de Assuntos Econômicos, à época, retirá-lo da pauta para melhor análise e aperfeiçoamento desse projeto. Enganos como esse acontecem no nosso dia a dia parlamentar. Cabe a nós corrigi-los. Isso é bom pra nossa gente e para o Brasil. Demonstra humildade e respeito público. Saudações cordiais!” Edson Moraes, especial para MS Notícias