06 de maro de 2021
Campo Grande 28º 19º

Lava Jato

Sob ameaça de cassação, Delcídio já teria escolhido data para acordo de delação

Esta semana promete ser decisiva para senador Delcídio do Amaral e também para Partido dos Trabalhadores (PT).

Entre assuntos em pauta do Senado está cassação do mandato do senador, preso em novembro de 2015, na Operação Lava Jato. Delcídio é investigado por oferecer rota de fuga e dinheiro ao ex-diretor da Pretrobas, Nestor Cerveró, para evitar delação premiada. A conversa em que senador faz proposta ao filho de Cerveró foi entregue à Polícia Federal, o que permitiu prisão do senador.

Preso na condição de investigado, Delcídio se tornou alvo de colegas do Senado que pediram cassação do parlamentar, líder do governo na Casa de Leis, por quebra de decoro. O senador tem até quinta-feira (18) para apresentar defesa ao Conselho de Ética do Senado para que posteriormente pedido de cassação seja analisado. Caso seja cassado, Delcídio perde seus direitos políticos e foro privilegiado em eventual julgamento decorrente da Lava Jato.

Esta possibilidade, assim como isolamento ao qual foi remetido pela cúpula nacional do PT, teriam pesado sobre ombros do senador que, segundo publicação da revista “Isto É”, do dia 13 deste mês, já teria agendado data para pedir acordo de delação premiada.

De acordo com revista: “[...]o senador Delcídio Amaral (PT-MS) era um pote de mágoas. Mostrava irritação especial com a cúpula do PT e do governo. Ainda nos primeiros dias de cárcere, um ministro de Dilma fez chegar a ele um recado de que sua prisão não perduraria. [...]O acordo não foi honrado. O rancor somado às pressões de familiares, principalmente de sua esposa Maika, levou Delcídio ao seu limite. Agora, pessoas próximas a ele dizem que o acordo de delação premiada é cada vez mais inevitável e que ele já teria estipulado até mesmo uma data para a decisão: depois do julgamento de um agravo regimental interposto contra a decisão do ministro do STF Teori Zavascki, que impediu a sua soltura no fim do ano. Se sofrer outro revés no pedido - que deve ser apreciado em breve pelo tribunal – a delação se tornará uma realidade.”