24 de setembro de 2021
Campo Grande 36º 21º

INVESTIGAÇÃO 'ATENTADO ELEITORAL'

TSE chamará Bolsonaro, que pode ficar inelegível por atentar contra o sistema eleitoral

Participantes de live de 29.jul.2021, contra a urna eletrônica, começam a ser chamados hoje (03.ago) pelo ministro Luis Felipe Salomão

A- A+

Após dura fala do presidente do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux, que - sem citar Bolsonaro - afirmou nesta 2ª feira(02.ago.2021) que "os poderes da República são harmônicos entre si, mas não podem ficar impunes quando atentam contra instituições", o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou ontem de forma unânime a abertura de um inquérito, junto com um pedido para que o chefe do executivo seja investigado no STF

Pelos ataques na fala do presidente Bolsonaro contra o sistema eleitoral e as urnas eletrônicas, hoje (03.ago.2021), o ministro do TSE, Luis Felipe Salomão, já deve começar a chamar os participantes da live em que Jair faz seu "atentado", segundo informações do Painel da Folha de S. Paulo. 

Alvo do inquérito é a live realizada na última 5ª feira (29.jul.2021) e seus participantes, incluindo o presidente e seu ministro da Justiça, Anderson Torres, sendo que essa investigação pode levar à inelegibilidade dos que atentam contra o sistema eleitoral. 

Além da investigação, a corte eleitoral enviou a transmissão para o inquérito sobre "fake news", que corre pelo Supremo Tribunal Federal, entretanto, a postura pelo TSE em resposta à Bolsonaro é a mais dura até o momento, e vai até mesmo em contraste com o discurso de Luiz Fux, presidente do STF, que até ontem (02.ago) também apresentava tom mais ameno. 

Segundo a Folha de S. Paulo, incluído formalmente na apuração sobre fake news, Jair Bolsonaro fica encurralado nas esferas criminal e eleitoral. Com isso, além do ministro do TSE Luis Felipe Salomão, que pode garantir que Jair Bolsonaro fique inelegível em 2022 caso avance com sua investigação, será a corte eleitoral (ainda com Luís Roberto Barroso e Moraes) a responsável por tentar frear as investidas do atual chefe do executivo contra o sistema eleitoral. 

Vale lembrar também que Jair Bolsonaro está ameaçado também de cassação, após autorização do ministro Alexandre de Moraes, do STF, que se mostrou favorável ao compartilhamento de provas das fake news e dos atos antidemocráticos com ações do TSE. 

** (Com informações Painel Folha de S. Paulo; G1 Política e Brasil 247)