29 de novembro de 2020
Campo Grande 35º 23º

COVID-19

Viviane Orro reitera apelos por reforço nas medidas de combate e prevenção

Estado tem mais de 9,3 mil casos confirmados; Aquidauana e Anastácio, cidades gêmeas, somam 10

Especialista em Nefrologia (especialidade da Medicina que trata das doenças dos rins), a médica e ex-secretária de Saúde de Aquidauana vem fazendo reiterados apelos à população e aos poderes públicos para que não afrouxem as medidas de prevenção e de combate à pandemia da Covid-19. O aumento no número de óbitos e casos confirmados impõe cuidados redobrados, sobretudo em cidades com características geográficas ou sociais que facilitem a propagação da doença.

“Quem mora aqui em Aquidauana e Anastácio, cidades separadas apenas por duas pontes sobre o mesmo rio, ambas às margens de uma movimentada rodovia que é entrada e saída entre Brasil e Bolívia, sabe o quanto é essencial se precaver”, afirma a médica. Para ela, o risco aumenta porque é forte o impulso das pessoas em continuar trabalhando na busca do sustento ou mantendo rotinas que as levam a sair de casa em busca de convívio externo, prejudicando a recomendação de isolamento social.

“Para preservar a vida, impõe-se, acima de tudo, uma responsabilidade efetiva de todo mundo. E o poder publico, no caso das prefeituras, é abastecido por recursos de orçamento e repasses extraordinários para fazer o que seja preciso em defesa da vida humana”, enfatizou Viviane. “E sendo assim, além de medidas institucionais, decretos e resoluções sobre atividades econômicas, sociais e administrativas, as prefeituras devem atuar na proteção das pessoas, incentivando-as a que sigam as orientações da Medicina e da Ciência”, acrescentou.

Viviane Orro. Foto: Divulgação

Durante a semana, Viviane Orro acompanhou a prestação de contas da Secretaria Municipal de Saúde de Aquidauana (Sesau). Conferiu os relatórios e participou da leitura e dos debates em torno de relatórios elaborados pela equipe técnica da secretaria, que a seu ver realiza um planejamento ”buscando cada vez mais prestar o melhor atendimento aos munícipes”.

Mas a ex-secretária vê a existência de interferência política na saúde pública. “É lamentável. Apesar de um incremento de 250% de verbas federais, se comparadas com o ano de 2010, a série histórica do SUS em Aquidauana nos demonstra que os serviços prestados estão em linha decrescente, de forma inversa aos recursos repassados pelo Ministério da Saúde, ou seja, os atendimentos diminuíram”, analisou.

Viviane lembra que nos últimos anos os aquidauanenses perderam serviços essenciais e de referência, entre os quais cita o atendimento do Craes/DST/AIDS; a redução no quadro de profissionais especializados do Centro de Especialidades Médicas (CEM) e o esvaziamento do corpo de especialistas de terapia intensiva no setor da UTI do Hospital Regional. Ela pontua ainda que a demanda reprimida de Oftalmologia já passa dos 1500 atendimentos e a cidade perdeu a referência em atendimentos de especialidades em diversas áreas.

“São louváveis e devem ser reconhecidos pela sociedade os esforços da equipe técnica da secretaria. No entanto, ao olhar para o aspecto gerencial,  e se compararmos com 2019, caíram em torno de 30% os atendimentos de média e alta complexidade, os exames laboratoriais, internações e vigilância em saúde”, continuou Viviane. Ela disse que além dos efeitos da pandemia do Coronavírus, o maior problema em questão é a politização da saúde pública. “A saúde e a vida das pessoas não permitem que interesses pessoais e políticos usurpem seus legítimos direitos. Os números estão no site do FNS e Datasus. Basta entrar e verificar. A saúde pública está garantida na CF, mas precisamos de fato ter acesso a ela”.

SUGESTÕES

Na audiência pública da Sesau na Câmara Municipal, Viviane alinhou sugestões e fez ponderações para melhoria do desempenho da saúde publica. Entre os itens que sugeriu destacam-se: necessidade de maior clareza e detalhamento dos gastos realizados apresentados; informações completas no Portal da Transparência da Prefeitura Municipal, inclusive as notas fiscais anexadas; planejamento dos gastos futuros; aquisição de filtros HEPA para UTI e, consequentemente, proteção adequada aos profissionais do setor.

A médica e ex-secretária ressaltou também providências como elaboração de protocolos para testes rápidos, com o objetivo de monitorizar e seriar a evolução da pandemia de forma pro-ativa; cuidado com a orientação ao paciente sintomático, mesmo com exame RT PCR negativo, já que o exame negativo não afasta a possibilidade de contaminação pelo Coronavírus; e avivar a importância da fiscalização da Câmara Municipal e dos órgãos de controle social.
De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde, até à manhã de sexta-feira, 3, Aquidauana tinha registrado seis casos confirmados de infecção com ao Covid-19 e Anastácio outros quatro. No Estado, eram 9.338 os casos confirmados e 107 óbitos. Dos casos confirmados, 3.754 estavam em isolamento domiciliar, 5.326 sem sintomas, já recuperados, e 209 internados.