03 de maro de 2021
São Paulo 39º 24º

Zeca do PT nega ter ordenado destruição de urnas durante votação na Câmara

Deputado federal, Zeca do PT negou ter incitado correligionários a quebrar urnas de votação durante eleição de parte da comissão especial do impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), nesta terça-feira (8). 

Nesta quarta-feira (9), Zeca informou ao MS Noticias que houve um equívoco e que a frase “quebrem as máquinas, quebrem as máquinas”, que teria sido dita pelo parlamentar durante a votação remetia à “cuidado com as máquinas, segundo petista. “Era muito barulho, e muita confusão. “Pessoas com 65 anos normalmente são pessoas pacíficas”, disse acrescentando que “não mandei quebrar nada”, afirma.

Quanto a decisão do ministro do STF ( Supremo Tribunal Federal), Edson Fachin que suspendeu, tramitação do pedido de impeachment da presidente Dilma, Zeca do PT avaliou como sensata. “Foi o comportamento arrogante e arbitrário do  Eduardo Cunha [ presidente da Câmara Federa] inventar votação secreta para manipular cabeças de pessoas. Não concordo com isso”, frisou.  

Uma das questões levantadas pelo ministro foi  a votação secreta realizada nesta terça, na Câmara dos Deputados, para eleger os membros da comissão. No despacho, Fachin ressalta que a Constituição e o Regimento Interno da Câmara não preveem votação fechada.

Ministro Fachin decidiu suspender a tramitação do pedido de impeachment até a próxima quarta-feira (16), quando o plenário da corte deverá julgar pedido liminar do PCdoB sobre a constitucionalidade da Lei 1.079/50, que regulamentou as normas de processo e julgamento do impeachment.

Com a determinação, a Câmara dos Deputados fica impossibilitada de instalar a comissão especial do impeachment até a decisão do Supremo sobre a validade da lei.  A pedido do partido, Fachin decidiu paralisar a tramitação para evitar que atos futuros possam ser anulados pela corte.