23 de junho de 2021
Campo Grande 30º 17º

Corumbaense é absolvido em caso de suposto racismo

De acordo com o TJD as provas apresentadas não eram conclusivas e optaram pela absolvição do clube pantaneiro.

A- A+

O TJD (Tribunal de Justiça Desportiva) do Estado, julgou na quinta-feira o  caso em que o jogador Robinho, do Naviraiense, acusa torcedores do Corumbaense de terem lhe agredido com xingamentos de cunho racistas.

Os auditores, por  três votos a um, entenderam que as provas apresentadas não eram conclusivas e optaram pela absolvição do clube pantaneiro. Se fosse condenado, o Carijó poderia perder três pontos, o que tiraria o clube da situação de classificado, com 12 pontos, para quinto colocado, com nove e ainda lutando contra o rebaixamento.

De acordo com a Gazeta MS, a confusão aconteceu após a partida em que o Corumbaense venceu o Naviraiense por 1 a 0 no dia 25 de fevereiro. Na saída, torcedores do Carijó e atletas do CEN discutiram no alambrado e Robinho acusou um deles de lhe chamar de "preto, macaco, preto sujo". Em suas considerações, os auditores alegaram não haver provas concretas do crime de racismo ou injúria racial que justificasse a condenação do clube. Além disso, o torcedor que Robinho afirma tê-lo xingado não foi identificado e, por isso, não seria possível estender esse crime à toda torcida local.

O Corumbaense alegou, em defesa, que a confusão foi originada pelos jogadores do Naviraiense que teriam, na saída de campo, provocado torcedores próximos, inclusive com cusparadas. Justificaram também que a maior parte da população de Corumbá é de negros e que, por isso, esse tipo de crime não é típico do local. Essas justificativas acabaram aceitas pela corte que optou pelo arquivamento.