13 de junho de 2021
Campo Grande 25º 11º

Líderes da Truck terão restritores em Campo Grande

A- A+

Além do retorno da Fórmula Truck a Campo Grande, depois de quatro temporadas ausente, a capital do Mato Grosso do Sul terá outra novidade na pista no dia 12 de abril, data da segunda etapa da sua 20ª temporada. De acordo com o novo regulamento da mais popular categoria do automobilismo da América do Sul, os três primeiros colocados na classificação geral terão redução de potência nos caminhões nas provas seguintes. Na corrida de abertura a vitória ficou com Felipe Giaffone (MAN Latin América) com Wellington Cirino (Mercedes-Benz) em segundo e Djalma Fogaça (Ford) em terceiro.

Com isso, Giaffone, líder isolado do Campeonato Brasileiro com 53 pontos, será o que mais vai sofrer, pois seu MAN receberá a instalação de uma espécie de anel, a ser colocado na entrada de ar da turbina do caminhão, o que vai reduzir a potência do motor em cerca de 70 cavalos. Esse aparato estabelecido pelo regulamento tem a entrada de ar reduzida para 74 milímetros contra os 80 mm dos outros caminhões sem o chamado lastro de sucesso.


Cirino, o segundo colocado na classificação geral com 44 pontos, perderá menos: cerca de 50 cavalos, pois o restritor utilizado no seu Mercedes-Benz será de 76mm. Já o Ford de Fogaça, o terceiro na pontuação com 38 pontos, terá a abertura de 78mm, o que implicará em algo em torno de 30 cavalos a menos no motor. 

Todos os outros pilotos, do quarto colocado na tabela da classificação geral em diante, terão a regulamentar abertura de 80 milímetros na entrada do turbo. O objetivo principal é tentar equilibrar mais ainda a disputa pela vitória e pelo título da categoria mais popular no automobilismo da América do Sul.

Apesar de parecer pouco para a potência de cerca de mil cavalos dos caminhões da Fórmula Truck, essa redução de potência deve ajudar a aumentar a briga por posições na pista, o que eleva a adrenalina de pilotos e dos fãs da categoria. Além disso, auxilia os outros pilotos a se aproximarem dos líderes na classificação geral e a reduzir a diferença na tabela de pontuação. 

A primeira corrida do ano, disputada dia 1º de março em Caruaru, Pernambuco, não teve os restritores por ser início de temporada e todos terem começado do zero. De Campo Grande até a etapa de Cascavel, no dia 9 de novembro, os três primeiros continuarão a usar os restritores. No entanto, na última prova, marcada para 6 de dezembro no Autódromo de Interlagos, em São Paulo, todos os pilotos entram com a mesma potência, ou seja, com a abertura de 80mm no turbo.