23 de junho de 2021
Campo Grande 30º 17º

Palmeiras e expulsões deixam Corinthians em xeque pela 1ª vez em 2015

A- A+

Elogiado no Corinthians por sua capacidade de gerir o elenco e motivar jogadores, Tite terá bastante trabalho nos próximos dias.

Depois de ser eliminada pelo Palmeiras e sentir o golpe da eliminação no Campeonato Paulista, a equipe corintiana novamente saiu de um clássico sob questionamentos. Em especial, pela forma como não conseguiu reagir, inclusive emocionalmente, em nenhum momento da vitória do São Paulo, por 2 a 0, no Morumbi. 

Em seu discurso, Tite defende que o aspecto psicológico do elenco está desgastado por jogos importantes em sequência. Membros do elenco admitem que já a disputa da primeira fase da Libertadores, contra o Once Caldas-COL, e o trauma passado pelo Tolima-COL em 2011, elevaram o nível de estresse do Corinthians em quantidade desproporcional desde janeiro. A avaliação do treinador é de que, nas últimas semanas, o preço disso começou a ser cobrado. Depois da eliminação para o Palmeiras, esse desgaste se aflorou de vez.

Desde goleada sobre o Danubio-URU em 1º de abril, o Corinthians não conseguiu mais convencer por completo. Em seis jogos, venceu apenas a Ponte Preta com erro de arbitragem, empatou com XV de Piracicaba, Santos, San Lorenzo-ARG e Palmeiras, sendo eliminado nos pênaltis. Contra o São Paulo, perdeu invencibilidade de 24 jogos oficiais. 

Para planejar o jogo com o Guarani-PAR (sem data definida) a partir desta quinta-feira, Tite tem problemas a contornar. O treinador não poderá contar com Emerson Sheik e seu reserva imediato, Stiven Mendoza, ambos expulsos contra o São Paulo. As demais opções ofensivas, Malcom e Luciano, não atuaram em nenhuma partida da Libertadores ou clássicos de 2015. Nesses duelos, quase sempre, sequer foram relacionados. Tite justifica como decisão técnica. 

?No comando do ataque, mais preocupações. Vagner Love não agradou nos quatro jogos em que Guerrero ficou de fora por dengue. O peruano volta aos treinos nesta quinta-feira, mas a comissão técnica trata o retorno dele à equipe com bastante cautela. Por isso, segundo a Folha de S. Paulo, o Corinthians pedirá à Conmebolque os duelos com o Guarani se iniciem apenas na semana seguinte. Mas, nos últimos tempos, o clube não tem tido sucesso em reivindicações à entidade.

É possível que Tite vá ao Paraguai sem Mendoza, Emerson Sheik e Guerrero, o que elevaria uma cobrança interna e principalmente externa sobre os ombros do treinador. A expulsão de Sheik passou impune nas palavras do comandante, que pediu credibilidade pela administração do vestiário. No passado distante e recente, porém, Emerson já cometeu indisciplinas que não foram advertidas. Na Copa do Brasil 2013, por exemplo, o Corinthians foi eliminado pelo Grêmio com cartão vermelho do mesmo atacante. Diante do Palmeiras, no domingo, ele não atuou por suspensão - gerada por agressão contra o Santos e simulação diante da Ponte. 

Mesmo assim, o Corinthians como um todo nesse momento tem confiança de que voltará fortalecido da pausa - pode ser de uma semana ou até duas. Seja no aspecto físico, seja no aspecto mental. Mas, por ora, sabe que precisa reagir.