13 de junho de 2021
Campo Grande 26º 13º

Pelé deixa hospital e diz que não temeu a morte

A- A+

Pelé declarou que não teve medo de morrer  nessas duas semanas em que ficou internado. Em entrevista coletiva no hospital Albert Einstein, onde recebeu alta médica nesta terça-feira, o ex-jogador demonstrou bom humor, comentando abertamente a situação preocupante em que viveu nesses últimos dias.

"Não fiquei com medo de morrer porque sou homem de Três Corações [cidade mineira onde nasceu]", declarou Pelé, que deixou a entrevista de cadeiras de rodas.

Pelé foi internado no dia 24 de novembro com infecção urinária. O temor era de que a infecção se espelhasse para as funções renais. Na UTI, o ex-jogador foi submetido a hemodiálise (processo de filtragem do sangue). O fato de ser uma pessoa idosa (74 anos) e ter apenas um rim gerou maior preocupação da equipe médica do hospital paulistano.

Agora recuperado, Pelé brincou, destacando que tem saúde até para voltar a defender a seleção.

"Quero lembrar para vocês que para a Olimpíada podem ser três profissionais [ironizando fato de até 3 jogadores com mais de 23 anos poderem ser convocados para a competição]. Eu sou um desses três".

O ex-jogador respondeu bem ao tratamento, e o aparelho de auxílio renal foi desligado em 30 de novembro. Pelé deixou a UTI no dia 2 de dezembro, transferindo-se para unidade semi-intensiva.

Novos exames no início de dezembro mostraram que o tricampeão mundial não apresentava mais sinais de infecção.

A partir daí, Pelé teve autorização para receber familiares e até tocar violão. Ele gravou um vídeo em que tocava ao lado dos familiares e namorada, mostrando estar bem de saúde.

Pelé não ficou perto da morte, dizem médicos - Sobre o período mais crítico da internação de Pelé, o médico Fabio Nasri garante que o ex-jogador, em nenhum momento, apresentou quadro de infecção generalizada.

"O Pelé teve uma resposta inflamatória. A bactéria era simples. Houve uma resposta inflamatória sistêmica do corpo. Em momento nenhum ele teve sepse", disse.

Segundo o médico Oscar Pavão, que também tratou Pelé, a inflamação não foi infecciosa. "Ele teve a disfunção renal e se recuperou de uma maneira muito intensa e com muita rapidez".

Karla Machado com UOL