24 de junho de 2021
Campo Grande 31º 19º
VANDER

Lanche das crianças

Como preparar a lancheira dos filhos na volta às aulas

A lancheira tem que conter uma fonte de carboidrato, proteína e fibras para garantir energia e saúde

A- A+

Com a volta às aulas os pais precisam se preocupar com o que colocar na lancheira dos filhos. A dúvida surge pois é preciso conciliar sabor, alimentos saudáveis e, claro, tempo para preparar o lanche que os filhos vão levar na para a escola.

O ideal é optar por alimentos nutritivos em um cardápio que contenha todos os elementos essenciais para garantir energia à criança. Ao mesmo tempo, que sejam práticos de montar.

“O erro mais comum cometido pelos pais na lancheira, pela questão da praticidade, é colocar frituras, doces, chips, refrigerantes... itens ricos em açúcar, sódio e gordura. Devem ser evitados”, comenta o nutricionista André Facchin.

É preciso colocar alimentos na lancheira que preencham todas as necessidades alimentares da criança e para isso o alimento precisa conter uma fonte de carboidrato, uma de proteína e uma de fibra.

“O carboidrato vai garantir a energia imediata que ela precisa para as atividades escolares, como se concentrar na aula. A fibra vai aumentar a saciedade, para que ele não chegue à próxima refeição com muita fome. E a proteína vai garantir o seu desenvolvimento”, detalha.

Para as mães que não têm tempo de fazer opções caseiras não precisam sentir culpa. Segundo Fachin, atualmente nem todos os industrializados são os grandes vilões do lanche. Basta avaliar bem o rótulo e optar pelos que contêm menos conservantes, açúcares e sódio. “O ideal é priorizar os bolos e pães caseiros, mas se a falta de tempo não permitir, atualmente há produtos de boa qualidade no mercado”, afirma o nutricionista.

Lanches mais saudáveis

Para aqueles que colocam a desculpa na rotina corrida, já não poderão dizer que isso é motivo para não preparar um lanche saudável para o filho já que o tempo de preparo será o mesmo tempo para montar um pão integral com uma fatia de peito de peru com muçarela. O que normalmente as mães fazem é preparar um pão branco com maionese e presunto.

Biscoitos, bolachas e pães integrais, bolos sem recheio, sucos naturais ou de caixinha sem açúcar - ou com uma quantidade menor - e sem conservantes e versões lights dos achocolatados devem estar entre as escolhas. “Ao se dar uma versão light, com leite desnatado, já se está criando um hábito saudável na criança”, diz Facchin.

A especialista alerta que não adianta tentar montar um lanche que a criança não goste de comer. Facchin diz que os hábitos saudáveis devem fazer parte da rotina de casa e que as escolhas devem ser feitas de acordo com o paladar do filho. “Se a criança não gosta de maçã, coloque banana. O interessante é programar o cardápio com antecedência e levá-la junto ao supermercado para ajudar a comprar os itens”, ensina.

Saudável, mas respeitando o paladar da criança


Deve-se equilibrar o desejo da criança com o valor nutricional do lanche é o ideal. Se os pequenos adoram achocolatados, vale intercalar com sucos e realizar trocas. “Como o achocolatado é rico em carboidratos, não é necessário colocar o pãozinho. Na opção salgada, vale mandar, por exemplo, a cenoura com tomate cereja”, diz Facchin. Já o iogurte só deve ser adicionado à lancheira se houver como mantê-lo resfriado até a hora do lanche. “Ele substitui o queijo, o peito de peru ou o cream-cheese. Nesse caso, o pãozinho pode ir com uma geleia”, detalha.

Fachin considera as sextas-feiras, quando muitas escolas liberam as guloseimas, importante. “Deixa na criança a certeza de que ela terá o seu dia de escolha, como uma recompensa pelo cardápio correto da semana”, afirma. Mas mesmo nesse dia é fundamental manter uma fruta. “A fibra vai ajudar na digestão e impedir que as guloseimas sejam totalmente absorvidas pelo organismo.”

*Com informações do Jornal A Cidade