05 de dezembro de 2021
Campo Grande 33º 23º

TRAGÉDIA | CAMPO GRANDE (MS)

Achado morto no banheiro, patrão tentou 'carregar' baterias

Preocupado com a conexão de internet dos clientes, empresário tentava restaurar serviços após temporal

A- A+

O empresário Diego Yosuke Teruya, de 36 anos, foi encontrado morto na manhã deste sábado (16.out.21), no interior de sua empresa, a RS Fibra (fornecedora de internet), localizada na Rua Presidente Tancredo Neves, Conjunto Aero Rancho, em Campo Grande (MS). 

Segundo o boletim de ocorrência, o corpo de Diego foi achado às 09h10 por Heberty Henrique Oliveira Martins, de 34 anos, e Higor Inácio Dourado, de 21 anos, ambos funcionários de Diego. Os rapazes disseram que chegaram à empresa e, em dado momento, viram o corpo do patrão no banheiro. Eles, então, acionaram o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), que apenas atestou o óbito, às 9h58minu.    

O relato do B.O diz que ao chegarem na empresa já estava no local um terceiro funcionário, Dionizio Ribeiro Júnior, de 22 anos. Esse disse que chegou à empresa às 8h20, porém, argumentou à polícia que não achou o patrão porque não fez uso do banheiro. 

Ainda de acordo com o registro, no local onde morreu Diego além de funcionar sua empresa é também a casa de seus pais. A ausência do filho não foi estranha porque acreditavam que Diego havia dormido no anexo da empresa, visto que estava trabalhando para restaurar a internet dos clientes, afetada pelo vendaval que atingiu Campo Grande e 7 cidades de MS, ontem.  

Os funcionários disseram à polícia que o servidor da empresa estava recebendo energia de um nobreak e de duas baterias automotivas.

Esses são cabos "Cabeça de Jacaré". Foto: ReproduçãoEsses são cabos "Cabeça de Jacaré". Foto: Reprodução

A análise primária da polícia indicou que a vítima tentou fazer uso de dois cabos “cabeça de jacaré” (semelhante a esses da foto ao lado), que foram emprestados à Diego por Amarildo Luis de Franca, de 58 anos e Leonildo Anastácio, de 55 anos. A polícia não disse qual era a relação desses dois homens com Diego. 

Os cabos "cabeças de jacaré", teriam sido utilizados pela vítima na tentativa de carregar as baterias automotivas. Para isso, já que estava sem energia elétrica, Diego teria alugado um gerador de energia movido a gasolina. Ao tentar encaixar os cabos "cabeça de jacaré" na saída elétrica do gerador, por algum motivo ele recebeu uma descarga elétrica. Depois disso, ele andou até o banheiro, onde caiu já sem vida.  

Suspeita-se que Diego tenha encostado a mão esquerda na parte metálica de uma das "cabeças de jacaré". A polícia, no entanto, não disse se havia marca de eletrocução nesse membro. 

A reportagem tentou telefonar para o homem de quem Diego alugou o gerador, identificado apenas como André, mas ele não atendeu às tentativas de contato feitas por meio de um número celular disponibilizado no boletim. 

Diego deixa esposa e 3 crianças pequenas. 

O caso foi registrado como morte a esclarecer e será investigado pela Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário, do Centro Especializado de Polícia Integrada, (Depac-Cepol).