05 de maro de 2021
Campo Grande 29º 21º

Tortura

Detentas de Corumbá fazem "panelaço" contra chegada de mulher que espancou sobrinho

Depois de ser praticamente linchada pelas detentas do Estabelecimento Penal Irma Zorzi, em Campo Grande, na tarde desta quarta-feira (24), a mulher de 31 anos, suspeita de torturar e espancar o sobrinho de apenas quatro anos, foi transferida para o Presídio Feminino de Corumbá - distante 425 quilômetros de Campo Grande.

No entanto, ao chegar ao local na manhã desta quinta-feira (25), a recepção foi a mesma. As detentas de uma das alas do presídio fizeram um panelaço contra presença da tia no local. Houve confusão, muito barulho era visível perceber sinais de fumaça, conforme site Diário Corumbaense. 

Equipes do Corpo de Bombeiros, da Guarda Municipal foram acionadas e o presídio foi isolado. Três detentas foram levadas para o pronto socorro depois de passar mal durante a manifestação. Uma delas saiu de maca. Atualmente, existem 130 custodiadas no Presídio Feminino de Corumbá. Segundo assessoria de imprensa da Agepen, o protesto foi realizado por detentas de um ala de um pavilhão e foi rapidamente contido.

Caso

Na tarde de terça-feira (23) um menino de quatro anos deu entrada na Santa Casa de Campo Grande com graves ferimentos por todo corpo. Ele foi espancada, queimado e torturado em um ritual religioso segundo confirmaram os próprios tios, que admitiram as agressões. O garoto está estável e segundo equipe médica não há ainda confirmação clínica se visão do menino de fato será prejudicada. Há uma educadora do Conselho Tutelar acompanhando o menino no hospital.

Na tarde esta quarta-feira (24), os tios foram transferidos. O homem para Presídio Estadual Masculino e mulher para Instituto Irma Zorzi. Um terceiro suspeito, um rapaz de 18 anos, foi preso na tarde de ontem em Aquidauana e transferido para Capital. As duas filhas do casal, duas adolescentes prestaram depoimento ontem ao delegado Paulo Sergio Lauretto e admitiram que presenciavam as agressões durante os rituais.