17 de setembro de 2021
Campo Grande 35º 21º

CAPITAL

Caçada entre amigos no "Capão Seco" resulta em perseguição e prisões

Homem pegou carro da esposa, encheu de bichos abatidos na mata e chamou atenção da polícia

A- A+

O motorista Sandro Aparecido de Oliveira, de 42 anos, e os amigos Marcio Alves Ramos, de 49 anos, e Jeverson Alves, de 43 anos, foram presos  em flagrante hoje (25.mar) na BR-060, nas proximidades de Campo Grande, por porte ilegal de arma de fogo.

De acordo com a polícia, Sandro pegou o carro da esposa, um VW/Gol de vidros escuros e foi com os amigos caçar no assentamento “capão seco”. Lá eles mataram 3 javalis (porco do mato), e estariam voltando para casa no momento que foram interceptados após a polícia notar o Gol bastante rebaixado seguindo pela via. 

Segundo registro, a polícia deu ordem de parada ao condutor que de início não obedeceu e tentou fuga, quando a policiais efetuaram disparos de alerta contra o Gol e um dos ocupantes arremessou objetos pela janela e assim o motorista seguiu por mais alguns metros até que parou. 

A polícia recolheu os objetos jogados pelos amigos, eram duas armas de fogo: um revólver calibre .38, que Jeverson assumiu ser seu. E uma espingarda calibre 12, que segundo Márcio era sua. Além disso, uma cartucheira e 

Conforme a polícia os homens foram levados a delegacia sem uso de algemas e os animais, conforme determinação da Autoridade Policial, não fora identificada nenhuma tipificação penal para tal conduta, tendo os animais sido apreendidos para encaminhamento do devido descarte.

A caça só é permitida, dependendo das peculiaridades regionais do estado comportarem o exercício, caso haja permissão regulamentada pelo poder público, como por exemplo a caça amadora dos Javalis. O animal é considerado uma das espécies exóticas invasoras mais prejudiciais ao meio ambiente e à economia. Sua caça foi autorizada em todo o país em janeiro de 2013. No Brasil já existem 44.408 registros ativos de "controladores" autorizados a capturar e abater javalis. 

O veículo em questão foi liberado pela própria equipe Polícia Rodoviária Federal (PRF) a um condutor habilitado.