24 de setembro de 2021
Campo Grande 36º 21º

ESTELIONATÁRIOS | GOIÁS

Casal vendia por R$ 100 mil vagas a cursos de medicina na faculdade pública

Dupla teria vendido supostas vagas em universidades de 5 estados

A- A+

Alaor da Cunha Filho e Mayara Soares Pimassoni foram presos na segunda (26.jul.21) em um condomínio de luxo em Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro. 

A Polícia Civil de Goiás diz que os dois são um casal e aplicavam golpes vendendo vagas em cursos de medicina em faculdade públicas do Brasil. Eles chegaram a anunciar vagas ao custo de R$ 100 mil ofertada em grupo de estudantes estrangeiros. 

Os investigadores descobriram que o negócio bancava uma vida de luxo e ostentação dos investigados.

Alaor e Mayara tiveram sequestro de mais de R$ 1 milhão em bens feito pela polícia. Além disso, os investigadores apreenderam dois carros avaliados em R$ 700 mil, relógios de luxo, dinheiro em espécie, computadores e telefones.

A defesa de Mayara diz que ela não tinha conhecimento dos fatos. Os advogados informam ainda que o processo tramita em segredo de Justiça, motivo pelo qual não pode dar maiores detalhes sobre. 

O advogado de Alaor disse que deixou o caso na quinta-feira (29.jul).

Uma mulher que não quis se identificar conta que caiu no golpe. Ela queria trazer a filha que estuda no Paraguai para o Brasil. Segundo a polícia, as negociações foram feitas com Alaor Filho por áudios trocados em celular. "Os lugares mais baratos que eu tenho hoje são em Goiânia e Minas Gerais, que eu consigo a R$ 35 mil. Tenho até de R$100 mil em São Paulo, na Universidade Federal de São Paulo [USP]", disse Alaor.

A vaga entre a mulher e o suspeito foi negociada por R$ 35 mil. A partir daí, a conversa mudou, segundo ela. "Começou a enrolar. Aí ele começou a falar: 'Aguarda um pouquinho', 'demora um pouquinho', 'deu um probleminha aqui', 'um probleminha ali'", desabafou a mulher.

O G1 solicitou um posicionamento à USP, citada em conversa do golpista, e aguarda um retorno.

O delegado William Bretz explicou que a fraude consistia na venda de supostas transferências para faculdades de medicina brasileiras de estudantes matriculados no exterior. Os alunos seriam transferidos por meio de vagas remanescentes, mas elas, porém, nunca existiram.

De acordo com a polícia, o casal fez vítimas em cinco estados: Rio de Janeiro, Maranhão, Minas Gerais e Mato Grosso. Alaor Filho tem uma longa ficha criminal por estelionato, lesão corporal, receptação e até sequestro.

"Temos uma suspeita muito grande que, de fato, toda essa vida luxuosa advém do produto do crime. A gente conseguiu apreender dois carros avaliados em mais de R$ 700 mil", ressaltou Bretz.

INÍCIO DA OPERAÇÃO 

8ª Delegacia Distrital de Polícia (DDP) de Goiâniatomou conhecimento, no dia 13 de julho deste ano, de uma notícia-crime. Segundo a denúncia, uma pessoa havia sido vítima de fraude que culminou na obtenção de vantagem indevida por parte de um casal. 

A fraude consistia no oferecimento de facilidades para transferência de matrícula de faculdade de medicina cursada no exterior para instituições no Brasil, públicas ou privadas.

A dupla criminosa, a fim de trazer aspectos de licitude, informava que se tratavam de vagas remanescentes, ocasião em que exibiam contratos falsos de prestação de serviços educacionais de graduação em medicina celebrados entre autarquias federais de ensino superior e estudantes. Todavia, esta facilidade custava entre R$ 30 mil a 150 mil, a depender da classe social da vítima. Com os pagamentos feitos, na conta indicada, os autores cessavam os contatos e ameaçavam as vítimas caso houvesse denúncias às autoridades.