26 de outubro de 2021
Campo Grande 29º 17º

NOVO CARTEL | FRONTEIRA

"Crime" decapita e desova corpo com alerta para "Justiceiros" em bilhete; imagens fortes

Cadáver foi achado às 17h foi enrolado em um cobertor; ele pode ser brasileiro, diz a polícia

A- A+

O corpo de um homem foi desovado, com a cabeça decapitada, em uma área do Exército paraguaio, a cerca de 5 km da linha internacional, na saída de Pedro Juan Caballero para Asunción na tarde desta segunda (27.set.21). Ao lado do cadáver havia um bilhete com um aviso do remetente: “crime”.

O cadáver foi visto às 17h, enrolado em um cobertor e teria sido arremessado de um veículo em movimento.  

A Criminalística da Polícia Nacional paraguaia compareceu ao local para os procedimentos rigorosos. As impressões digitais foram coletadas e serão enviadas à Polícia Brasileira para identificação da vítima.

Corpo da vítima foi perfurado na barriga e a cabeça foi decapitado. Foto: Reprodução Corpo da vítima foi perfurado na barriga e a cabeça foi decapitado. Foto: Reprodução 

O médico legista Marcos Prieto explicou que a morte foi causada por decapitação com faca afiada. Ele ressaltou que o corpo ainda estava flácido, portanto, presume-se que a morte tenha ocorrido cerca de duas horas antes do corpo ser encontrado.

A Polícia Nacional ainda não conseguiu identificar o falecido e acredita-se que ele seja brasileiro. No bilhete deixado como um aviso para o grupo criminoso que se autodenomina "Justiceiros da Fronteira", um novo grupo criminoso rival se apresenta agindo da mesma maneira. Eles decapitam a vítima e deixam um bilhete. No caso dos "Justiceiros", a justificativa para as execuções cruéis de seus alvos, seria supostamente que os mesmos estariam roubando na fronteira, porém, o grupo criminoso já fez vítimas que sequer tinham ligação com criminosos.  

Suposto bilhete deixado pelo "Crime". Foto: Reprodução Suposto bilhete deixado pelo "Crime". Foto: Reprodução 

O "Crime" avisa no bilhete deixado ao lado do cadáver decapitado achado nesta segunda: "(sic) Nós do Crime estamos deixando claro, que não iremos mais admitir covardias cometidas por esses justiceiros, seja lá quem for. Ass: Crime", alertam em escrita de língua portuguesa, num papel em tom alaranjado.  

POSSÍVEL IDENTIDADE

A Polícia paraguaia disse que a vítima pode ser um dos alvos de suposto sequestro que teria ocorrido na tarde do domingo. Na data, uma mulher que se identificou como mãe de Júlio César Ocampos, que supostamente teria desaparecido na mesma época do suposto sequestro, compareceu à Delegacia de Polícia nº 2 da Zona Industrial de Pedro Juan Caballero, cidade vizinha a Ponta Porã (MS).

A casa alugada por Ocampos foi periciada pela polícia e foram encontrados vestígios de sangue num dos quartos.

Segundo os dados, Ocampos Monges é amigo de Rogério Laurete Buosi, que foi encontrado morto na noite de sábado em uma casa no bairro Ciudad Nueva de Pedro Juan Caballero. Ele foi executado com 13 tiros de pistola 9mm.