27 de fevereiro de 2021
Campo Grande 32º 22º

Depois de ser torturado pelos tios, menino de 4 anos comove famílias que se candidatam à adoção

O caso do menino de 4 anos que foi espancado e torturado pelos tios durante rituais de magia negra, como afirmou casal, chocou a todos pela gravidade das agressões e também pela crueldade como o garoto foi usado por familiares.

A polícia já ouviu o casal de tios e rapaz de 18 anos, que tudo indica seja primo do garoto agredido. Todos confessaram participação nos rituais. Segundo delegado contou ao MS Notícias, os tios admitiram que quando pediram a guarda do menino em maio de 2015 já havia intenção de usá-lo nos 'rituais de sacrifício'.

O garoto deu entrada na Santa Casa de Campo Grande no final da tarde de terça-feira (23) com ferimentos no rosto, queimaduras por todo corpo, ferimentos internos e diversas cicatrizes que indicam que ele vinha sendo agredido há meses. A polícia suspeita que o menino quebrou um braço e não recebeu atendimento médico devido e por isso o braço se "curou sozinho" e ficou torto.

As duas primas do garoto, de 10 e 14 anos, admitiram que presenciaram algumas vezes o menino apanhar, mas contam que não viam os rituais e que a mãe sempre tinha uma justificativa para as marcas como ele ter caído da cama, ou se queimado com comida quente. Em depoimento, os tios contaram que apagavam charutos no peito e nas costas da criança e jogavam água quente nela. A avó materna que negou participação nos rituais foi desmentida por Geovani.

O caso revoltou toda população, a tia teve que ser transferida para Corumbá depois de ter sido alvo de protestos e "panelaço" das detentas do Instituo Irma Zorzi na Capital. No interior, a cena foi a mesma, protesto, revolta. A tia do garoto teve que ser transferida do Presídio Feminino para delegacia da cidade. O tio e Geovani estão presos na Capital. 

Outro aspecto do caso que veio à tona é a associação entre violência e agressões e religiões de matrizes africanas. Fotos da residência divulgadas na imprensa mostram um altar com algumas imagens que representam entidades espirituais da umbanda. Isso foi suficiente para que muitas pessoas se manifestassem em redes socais de forma contrária à religião. Em resposta, lideranças religiosas vieram a público e emitiram notas de repúdio contra as agressões.

Porém, o mais surpreendente em meio a tanta violência, é o carinho que o menino tem recebido e sua recuperação, que, segundo equipe médica, embora seja cedo para confirmar qualquer diagnóstico, ele está bem estável, e conforme informou assessoria, está consciente, responde às perguntas dos enfermeiros e médios e mesmo imerso a um turbilhão de medicamentos, acessos, injeções, exames, consegue ser criança e, ontem conforme informou assessoria, o garoto se distraiu durante bom tempo com livro de figuras, o que pode sinal de que sua visão não tenha sido completamente comprometida. A investigação ainda não terminou, os tios, Giovani, ainda serão indiciados pelos crimes que cometeram, mas para esse garoto, esse parte da sua história se encerrou ainda mais agora diante da notícias de casais que já procuraram conselho tutelar com desejo de adotá-lo.