24 de setembro de 2021
Campo Grande 36º 21º

INTERIOR | PROFISSÃO: PERIGO

Desaparecido há 14 dias, corpo de Anaurelino é achado em decomposição

Veja tudo o que se sabe sobre a vítima achada nesta quinta (22.jul)

A- A+

O corpo de Anaurelino Ricaldes, de 51 anos, foi encontrado na quinta-feira (22.jul.21) às margens da MS-162 em Maracaju (MS) próximo a ponte do Rio Brilhante, sentido Sidrolândia (MS). A vítima estava desaparecida desde 8 de julho, depois de sair com destino à Campo Grande, onde morava.  

O carro (Nissan Tiida, de cor Preta e placas HTF-0123) que era conduzido pela vítima estava em um barranco às margens da rodovia em meio ao mato alto. 

Segundo o registro de ocorrência, no local havia sinais de capotamento. O corpo do condutor estava a 30 metros de onde o carro ficou bastante danificado. O cadáver estava em estado avançado de decomposição. 

ANTES DO ACIDENTE – A cidade de Maracaju fica a 160 quilômetros de Campo Grande – onde Anaurelino estaria trabalhando em seu ofício: “gatos de energia”. Ele teria sofrido com um “surto” em um bar na noite de 9 julho.

No cronograma de serviços dele, primeiro, iria até Dois Irmãos do Buriti e o segundo em Maracaju. Ele estava acompanhado de 2 outros colegas, que acabaram presos por tráfico nos 14 dias de desaparecimento de Anaurelino.  

PROFISSÃO: PERIGO – O site Campo Grande News diz que a vítima era conhecida pelo apelido ‘MacGyver’. 

O site diz que ouviu Elisvaldo Cruzarolli Guimarães, de 40 anos, e pelo sobrinho dele, Cauan Castro Cavalcante, 18 anos, que revelaram detalhes do que ocorreu antes do acidente. 

Ambas as fontes estão presas por tráfico de drogas e teriam “caído” durante as investigações sobre o desaparecimento de MacGyver da Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Homicídio (DEH).

Brinquinho disse que é amigo de MacGyver desde os 10 anos.

O suposto amigo revelou que a vítima era especialista em adulteração de padrão de energia. Eles “faziam “gatos” até mesmo em outras cidades no Estado e por isso se uniram para pegar a estrada naquele dia. Brinquinho contou que aprendeu o "ofício" com MacGyver”, revelou ao site chorando.    

A vítima fatal teria ainda em seu histórico (ficha criminal) uma prisão durante a operação da 5ª Delegacia de Polícia Civil de Campo Grande contra furto de energia, ocorrida em 2016.  Anaurelino ganhou a alcunha de “Rei das Fraudes” por realizar a adulteração nos padrões das mais diversas formas.  “Se ele [cliente] pagava mil reais, a gente cobrava mil reais e baixava a conta para 300 ou para quantos ele quisesse”, explicou Brinquinho. 

No dia do acidente, MacGyver dirigiu até a primeira cidade e lá Brinquinho fez o “gato” na casa do cliente. A conta geralmente era de R$ 400 e por isso eles cobraram R$ 300 pelo trabalho. Antes de irem embora, sentaram-se com o dono da residência para beber.

Tomaram cerveja e fizeram uso de drogas juntos. Já em Dois Irmãos do Buriti, a vítima ficou alterada e por isso o amigo assumiu a direção do carro. Seguiram rumo a Maracaju, pararam em Sidrolândia - onde Anaurelino comprou mais cerveja - e só chegaram na cidade de noite. Foram direto para casa em que deveriam fazer o serviço, mas não encontraram o dono.

Decidiram parar em um bar na mesma região para carregar os celulares e tentarem contato com o suposto cliente. Ali beberam juntos mais uma vez algumas garrafas de cerveja. “De repente” MacGyver teve um surto. “(sic) Ele grudou a chave do carro, não queria nem pagar o velho dono do bar, fez um piseiro lá, entrou dentro do carro e falou, vamo embora, vamo embora”, narrou o amigo. 

Tio e sobrinho entraram no carro, mas se assustaram com a maneira que o amigo dirigia. Segundo eles, o motorista saiu acelerou pela contramão, ainda dentro da cidade, subiu nas calçadas e tumultuou o trânsito. “Grudei na porta e falei se você vai se matar, se mata sozinho eu vou pular do carro. Na hora que eu abri a porta e fiz que ia me jogar ele parou o carro”, narrou Elisvaldo.

Ele desceu do veículo e foi acompanhado por Cauan. Nas margens da rodovia tentaram convencer o amigo a desistir da viagem de volta para casa. Argumentaram que o carro estava na reserva e eles precisavam do pagamento da adulteração de energia para abastecer, mas não teve jeito

MacGyver pediu para os dois entrarem no carro também. Brinquinho tentou negociar para assumir a direção, mas não conseguiu. O amigo pegou a rodovia em sentido a Capital, e ele e o sobrinho ficaram a pé em Maracaju. “A última vez que vi ele foi lá, na cabeceira da ponte, vindo para Campo Grande. Insistindo para eu entrar no carro”, relatou.

ABANDONADOS – Sem dinheiro ou locomoção, tio e sobrinho voltaram a pé até a rodoviária de Maracaju e usaram o celular para pedir ajuda. “Liguei para todo mundo para conseguir 100 reais, o cara de dentro do presídio me mandou 100 reais para comprar as passagens”. Conseguiram embarcar só de madrugada e chegaram em Campo Grande nas primeiras horas do dia 10 de julho. Não souberam mais notícias de MacGyver.

Como último recurso, relatou a polícia, ligou para conhecidos da fronteira, faccionados, para saber se o carro do amigo, o Nissan Tiida preto, havia atravessado para o Paraguai. Ninguém havia visto o MacGyver. O mistério terminou apenas nesta quinta-feira, 14 dias depois do desaparecimento.

O APELIDO – O apelido MacGyver vem do personagem MacGyver de uma série de TV, onde um agente secreto altamente inteligente que prefere resolver os conflitos sem violência. Ele nunca está armado e derrota o inimigo com seu vasto conhecimento científico. Traduzido “Profissão: perigo” no Brasil, a série de TV americana foi criada por Lee David Zlotoff.   MacGyver durou 7 temporadas, de 1985 a 1992, no canal ABC nos Estados Unidos. 

DESPEDIDA - A irmã de Anaurelino escreveu: "Eu amei vc meu irmão. Fomos um trio de irmãos muito abençoado por Deus! Amor eterno. Guri vc me deixou", disse Tânia Recaldes.  

*Com Maracaju Speed e Campo Grande News.